Tempo
|
A+ / A-

Legislativas 2022

Marcelo. Votar "é uma prova de vida, de vitalidade e de democracia"

30 jan, 2022 - 13:33 • Marta Grosso

O Presidente da República chegou ao local de voto a conduzir a sua viatura. Diz estar de consciência tranquila sobre a decisão de dissolver o Parlamento e não recusa um debate sobre a manutenção do dia de reflexão.

A+ / A-

Veja também:


Marcelo Rebelo de Sousa defendeu, neste domingo, depois de votar para as eleições legislativas antecipadas, que votar “é uma prova de vida, de vitalidade e de democracia. É uma prova de que as pessoas querem exprimir a sua voz”.

“É em função desse voto que se vai determinar um futuro que é muito importante, porque temos de sair da pandemia e acelerar o crescimento económico”, acrescenta.

O chefe de Estado votou pelas 13h15 em Celorico de Basto, distrito de Braga, na secção da junta de freguesia de Molares, onde está recenseado há cerca de 26 anos.

“Espero que seja possível que, no período entre as 18h e as 19h, muitos dos portugueses isolados venham votar, não prejudicando ninguém e exercendo o seu direito”, desejou Marcelo à chegada para votar.

No seu entender, “não há razões para não termos aumento de votantes”, uma vez que está bom tempo.

Até ao meio-dia, 23,27% dos eleitores já tinham votado, o que representa uma percentagem superior à das últimas legislativas, realizadas em 6 de outubro de 2019 (antes da pandemia). Os dados são do Ministério da Administração Interna (MAI).

Estas eleições foram convocadas porque os partidos com assento parlamentar não aprovaram o Orçamento do Estado para 2022 e o Presidente da República dissolveu o Parlamento. “Fiz em consciência o que tinha de fazer. O Conselho de Estado aprovou. Agora é preciso olhar para o fundamental e votar”, defendeu aos jornalistas que o acompanhavam.

Marcelo sublinha que existem muitas forças partidárias em que se pode votar: "De tantas hipóteses, devem aproveitar", incentiva.

O chefe de Estado lembra que existe um período recomendado para os portugueses que se encontram em isolamento irem votar e explica que a lei não permitia grandes alternativas: “uma solução poderia ser os isolados votarem no sábado, mas a lei não permite. Ou então alargar o horário, mas a lei não permite. Temos uma lei feita para outras circunstâncias”, referiu.

Tal como o dia de reflexão, criado numa altura em que se saía de uma revolução (25 de Abril), em que “era tudo muito intenso”. “Entendia-se que [esse dia] era uma forma de pacificação, depois de uma intensidade grande na campanha. Agora, a democracia está institucionalizada, é altura de pensar sobre isso”, defendeu.

Não querendo antever cenários, o Presidente recorda que “estamos num momento difícil na Europa e no mundo” – o que é mais uma razão “por querermos todos os portugueses a votar” – e diz que, na terça e quarta-feira, vai “receber os partidos” e perguntar-lhes “como veem o futuro imediato em termos de governação”.

Quanto à dificuldade sentida por alguns emigrantes para votar, Marcelo diz que é um problema que o preocupa há algum tempo e em que o Parlamento tem de pensar, sendo certo também que há outros “problemas burocráticos que a Covid-19 acentuou”.

Saiba Mais
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Anónimo
    30 jan, 2022 Lisboa 18:58
    O senhor presidente armado em troll da Internet.

Destaques V+