Tempo
|
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
A+ / A-

João Oliveira acusa PS de querer "confinar-se no pior da sua tradição"

19 jan, 2022 - 21:45 • Lusa

O dirigente comunista diz que o voto na CDU "é o único que garante" que no dia 31 de janeiro não haverá "um Governo do PSD e dos outros primos da direita".

A+ / A-

O dirigente comunista João Oliveira considerou esta quarta-feira que o PS está a querer "confinar-se no pior da sua tradição", ao olhar apenas para a maioria absoluta ou para entendimentos com o PSD.

"Do ponto de vista do posicionamento de cada um, as coisas também vão ficando relativamente mais claras. O PS quis ir para eleições e agora parece querer confinar-se no pior da sua tradição: ou tem uma maioria absoluta ou a única solução serão entendimentos com o PSD", sustentou João Oliveira, durante um comício em Loures, no distrito de Lisboa.

Deputado à Assembleia da República desde 2005, João Oliveira admitiu que o partido de António Costa tem "o direito de querer clarificar o seu posicionamento e tem o direito de querer escolher esse caminho", mas aquilo que a população pode escolher "poder ser uma coisa muito diferente".

João Oliveira acrescentou que o voto na CDU "é o único que garante" que no dia 31 de janeiro não haverá "um Governo do PSD e dos outros primos da direita" ou executivo de entendimento entre socialistas e sociais-democratas.

O cabeça de lista da CDU pelo círculo eleitoral de Évora estava acompanhado pelos "números dois e três" por Lisboa, Alma Rivera e Duarte Alves, e vários dirigentes comunistas como, por exemplo, Ricardo Costa e Bernardino Soares.

Nas legislativas de 2019, a CDU obteve 332.473 votos, ou seja, 6,33% do total de votantes (5.251.064) e elegeu 12 deputados (dez do PCP e dois do PEV).

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • João Lopes
    20 jan, 2022 Porto 09:28
    Agora é que se vai ver a força do PCP...

Destaques V+