Tempo
|
A+ / A-

Legislativas: BE quer pôr "extrema-direita no seu lugar" e evitar maioria absoluta do PS

15 jan, 2022 - 18:12 • Lusa

A coordenadora do Bloco acusa António Costa de não ter explicado "até hoje quando é que mudou de ideias sobre a legislação laboral da "troika"".

A+ / A-

A coordenadora bloquista, Catarina Martins, defendeu hoje que o BE como terceira força política reforçada vai impor "uma derrota à direita", pôr "a extrema-direita no seu lugar" e "vencer a maioria absoluta do PS", permitindo um novo acordo.

Catarina Martins regressou esta tarde à sua escola, a secundária José Estêvão, em Aveiro, e do palco do comício onde se podia ler "Bloco. Esquerda de confiança" definiu os objetivos para as eleições legislativas de 30 de janeiro, mas também não esqueceu o primeiro-ministro, António Costa, que acusa de não ter explicado "até hoje quando é que mudou de ideias sobre a legislação laboral da "troika"".

"O Bloco de Esquerda como terceira força política reforçada neste país imporá uma derrota à direita, porá a extrema-direita no seu lugar e vai vencer a maioria absoluta do PS para garantir, sim, que se abre um novo ciclo que deixe mesmo para trás a austeridade, que salve o SNS e que faça com que o salário seja digno e o emprego respeite quem trabalha e quem trabalhou toda uma vida", afirmou.

Apontando já ao voto antecipado que decorrerá no domingo, a coordenadora do BE defendeu que no distrito onde decorreu o comício, os aveirenses sabem que o BE "é a esquerda no parlamento, é a esquerda que fará a diferença", assegurando que os bloquistas são "incansáveis".

"Toda esta gente que se mexe, que não desiste, é toda esta força que dará ao Bloco de Esquerda a capacidade de impor um novo acordo e um acordo que comece pela saúde e pelo trabalho e que aqui toda a gente vai viver de cabeça erguida", sublinhou.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+