Tempo
|
A+ / A-

Legislativas 2022

"Grande desencanto". Santana Castilho lamenta ausência da Educação no debate entre Costa e Rio

14 jan, 2022 - 23:05 • João Malheiro

Santana Castilho critica o atual primeiro-ministro por apontar "a falta de formação e índices generalizados de baixa educação" como um problema estrutural do país, mas, quando vem a debate, "retira qualquer tipo de pronúncia sobre a Educação". O professor universitário rejeita a proposta de cheque-ensino apresentada pelo CDS e pela Iniciativa Liberal.

A+ / A-

O professor e antigo subsecretário de Estado Santana Castilho vê com "grande desencanto" a ausência da Educação no debate entre António Costa e Rui Rio, desta quinta-feira.

"Tem sido um tema relevante apenas pela via da pandemia. Não foi só ontem que o tema esteve ausente. Os debates têm ignorado a Educação", lamenta, à Renascença.

Santana Castilho critica o atual primeiro-ministro por apontar "a falta de formação e índices generalizados de baixa educação" como um problema estrutural do país, mas, quando vem a debate, "retira qualquer tipo de pronúncia sobre a Educação".

"É curioso ver no programa do PS para as legislativas coisas como se não fosse o PS que estivesse no Governo nos últimos seis anos", aponta.

"António Costa faz uma série de críticas que redundam em críticas ao seu próprio Governo e à sua própria iniciativa política", realça, ainda, o professor universitário.

Cheque-ensino pode causar "terríveis diferenças" entre alunos

Santana Castilho realça. apesar das críticas gerais, que CDS e Iniciativa Liberal foram uma exceção à regra e trouxeram a Educação para os debates televisivos.

No entanto, lamenta que tenha sido "indo ao baú de temas já abandonados para recuperar a ideia do cheque-ensino".

"Isto ia introduzir terríveis diferenças entre estratos populacionais, equipamento deficientemente distribuído e entre alunos", considera, à Renascença.

O antigo subsecretário de Estado realça que os estabelecimentos privados de ensino correspondem a cerca de 20% da rede total do país, "mas estão distribuídos no litoral e nas grandes cidades".

"O que aconteceria aos jovens do Interior com o cheque-ensino na mão, se debandassem as instituições? Isto não é exequível", critica.

Santana Castilho exemplifica, ainda, que a Suécia já fez uma experiência semelhante, o que levou "um ensino altamente profícuo a cair profundamente e diferenças entre regiões agravaram-se".

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+