Tempo
|
A+ / A-

Legislativas 2022

Ainda a TAP. Rio diz que cumprirá programa de reestruturação se formar governo

14 jan, 2022 - 15:07 • Lusa

Líder do PSD garante que teria fechado a TAP abalada pela pandemia. Se ganhar, não tomará essa decisão para não perder dinheiro, mas, depois de recuperada a empresa, venderá a companhia aérea.

A+ / A-

O presidente do PSD assegurou esta sexta-feira, em Torres Novas, que, caso vença as eleições de dia 30, cumprirá o programa de financiamento da TAP aprovado pela União Europeia, procurando, a seguir, encontrar um comprador.

Rui Rio, que dedica esta sexta-feira à visita de empresas no distrito de Santarém, no âmbito da pré-campanha eleitoral para as legislativas, afirmou que, embora defenda a privatização da empresa, se formar governo não vai perder o dinheiro que já foi colocado na companhia aérea, cerca de dois mil milhões de euros.

"Se eu agora não meter o que falta, perco tudo aquilo que lá foi metido", o que seria uma "completa irracionalidade", declarou, defendendo que se conclua a capitalização da empresa para, depois, "procurar encontrar alguém no mundo que queira comprar a participação do Estado" e assim "recuperar qualquer coisa".

Salientando que a TAP acumula prejuízos ao longo dos anos, que têm vindo a ser pagos "por impostos dos portugueses", Rio afirmou que, com o "abanão fortíssimo" sofrido pela empresa devido à pandemia da Covid-19, teria optado pelo encerramento e, se houvesse interesse de privados, criar "ao lado, de raiz, uma companhia nova, como foi feito noutros países".

"Agora, amanhã, ganho as eleições e tenho o dossier da TAP na minha mão. É evidente que agora não faço isso, porque já lá foi metido muito dinheiro", declarou.

"O PS fez coisas boas, ficarão, fez coisas más, mudarão. Essa é má, mas não muda de uma forma radical ao ponto de eu prejudicar o interesse público só para aborrecer os antigos governantes do PS. Isso seria uma estupidez, não vou fazer isso", afiançou.

Rio afirmou que, no debate com o líder socialista e atual primeiro-ministro, António Costa, na quinta-feira à noite, deu o exemplo do valor de IRC cobrado anualmente, cinco mil milhões de euros, para os "portugueses terem a noção da dimensão" do dinheiro que está a ser injetado na empresa.

Sobre a resposta da TAP ao exemplo que deu no debate de quinta-feira, da diferença do custo de um bilhete para S. Francisco (Estados Unidos) para quem embarque num avião da TAP em Madrid ou em Lisboa, com este a custar três vezes mais, Rio afirmou que a lei da oferta e da procura "não leva o Estado português a pingar anos, anos e anos para a TAP".

Para o líder social-democrata, a empresa deve ter custos salariais e não salariais e programas de voos de acordo com a lei da oferta e da procura, "porque se acumula prejuízos não há cá lei da oferta e da procura, há o contribuinte a entrar com o dinheiro".

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+