Tempo
|
A+ / A-

Legislativas 2022

Livre ataca financiamentos do Chega. "Um pouco de vergonha", responde Ventura

05 jan, 2022 - 23:58 • Susana Madureira Martins

O debate entre o presidente do Chega e o cabeça de lista do Livre por Lisboa foi marcado por vários focos de tensão. Do Rendimento Básico Universal ao financiamento dos partidos. Rui Tavares lembra que a indústria do armamento e empresários com contas em offshores estão entre os financiadores do Chega. Ventura contra-atacou com a ligação do candidato do Livre à candidatura de Medina a Lisboa, meses depois do candidato do PS ter sido alvo de buscas por suspeitas de corrupção.

A+ / A-

Foi tenso o debate entre André Ventura (Chega) e Rui Tavares (Livre) na pré-campanha das legislativas.

No frente a frente na CNN, o líder do Chega acusou o cabeça de lista do Livre a Lisboa de ter o programa eleitoral mais irresponsável que já viu, criticando por exemplo a proposta de Tavares sobre o Rendimento Básico Universal.

"O Rui Tavares, para além de defender o subsídio de desemprego para quem se despede, defende o Rendimento Básico Universal, que é uma espécie de pagar a toda a gente.
José Sócrates, Ricardo Salgado estariam a receber o seu Rendimento Básico Universal, que é o que a esquerda humanista quer: pagar a toda a gente para não fazer nada.

A par de querer pagar este rendimento, que é uma coisa inacreditável, Rui Tavares diz quer energia mais barata, mas não diz aos portugueses que, no seu programa, está a criação da taxa do carbono e a taxa do entulho".

Na resposta, o candidato do Livre defendeu a proposta do Rendimento Básico Universal, dizendo que tem de sido testada noutros países.

"Temos de testar o Rendimento Básico Incondicional, porque é uma medida que pode erradicar a pobreza e libertar as pessoas. Temos, noutros países como a França, a possibilidade de, em algumas condições, o subsídio de desemprego poder ser atribuído a quem é despedido, mas também a quem quer fazer reformulação e requalificação para poder ter no nosso país trabalho, qualificações e formação".

Outro dos pontos quentes do debate foi o financiamento do Chega, com Rui Tavares e referir que o partido de André Ventura recebe o apoio, "nomeadamente da indústria do armamento e de empresários com contas em offshores".

Ventura contra-atacou com a ligação de Tavares ao socialista Fernando Medina na câmara de Lisboa.

"Falar de financiadores quando andou na candidatura a Lisboa, financiada todos sabemos por quem e por que donativos ao PS, um bocadinho de vergonha. Medina teve buscas por corrupção uns meses antes e depois andou na campanha com ele", atirou o líder do Chega.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Anónimo
    22 jan, 2022 Lisboa 00:05
    Disse alguma mentira? Todos sabemos que Ventura é lacaio do corrupto americano Steve Bannon, o próprio admitiu-o.

Destaques V+