Tempo
|
A+ / A-

Mensagem de Ano Novo. Costa faz como Marcelo e pede "Governo estável" para quatro anos

02 jan, 2022 - 16:00 • Susana Madureira Martins

Numa mensagem publicada nas redes sociais, o líder do PS alerta para a necessidade de não se voltar "a ter sobressaltos políticos", pedindo "estabilidade" para tomar decisões durante uma legislatura completa e pede um "virar de página", repetindo a expressão do Presidente da República.

A+ / A-

Um dia depois do Presidente da República ter dito ao país na mensagem de Ano Novo que é preciso "virar a página" e que este é o tempo de "decidir a Assembleia da República e o Governo para os próximos quatro anos", o secretário-geral do PS e Primeiro-ministro usa praticamente as mesmas expressões numa mensagem divulgada este domingo na rede social Facebook.

Numa curta declaração de um minuto, António Costa diz aos militantes e simpatizantes do PS que no final deste mês o país vai "decidir que Governo" quer e alerta para a necessidade de "um governo estável para os próximos quatro anos" para que não se ande "de crise em crise".

Costa avisa ainda que um Executivo para uma legislatura inteira é necessário para que o país não volte "a ter sobressaltos políticos em momentos tão dramáticos" como o que está a ser vivido "no combate à pandemia", num dia em que o país registou mais 11.080 casos ativos de Covid-19 e 14 mortes.

De resto, o paralelismo com a mensagem de Ano Novo de Marcelo Rebelo de Sousa é claro, e em jeito de resposta e concordância com o Presidente da República, o líder socialista conclui que "há mais vida para além desta pandemia" e que é preciso "virar esta página" em que o país vive comparando com o que diz ter sido o virar de "página da austeridade".

Costa a pedir ao país foco na "na recuperação e no progresso", alertando que não se pode "desperdiçar a oportunidade" criada para se "fazer mais, muito mais", insistindo que para isso é preciso "estabilidade nas decisões" e "não adiar, não parar, consolidar o que está a ser feito".

Uma mensagem do secretário-geral do PS que termina com um "juntos seguimos e conseguimos", o slogan adoptado pelo partido para a campanha eleitoral das legislativas de 30 de janeiro.
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+