Tempo
|
A+ / A-

PSD

Rui Rio. “Reunião pacífica com muito barulho dos que ficaram de fora das listas”

08 dez, 2021 - 02:58 • Manuela Pires

Apesar das vozes críticas que se escutaram na noite de Évora, o conselho nacional aprovou, por larga maioria, as listas de deputados do PSD às legislativas. Paulo Rangel diz que faltou diversidade.

A+ / A-

Com 67 votos a favor, 21 contra e 6 abstenções, o conselho nacional do PSD aprovou as listas de deputados à Assembleia da República. No final da reunião que durou pouco mais de 3 horas, Rui Rio disse aos jornalistas que este foi um dos conselhos nacionais mais pacíficos, mas onde os críticos fizeram muito barulho. “Foi mais pacífica do que o normal, mas as intervenções que foram feitas são quase todas de pessoas que não estavam nas listas. O barulho de alguns que não estavam lá foi maior que o normal” reconheceu Rui Rio em conferência de imprensa.

O líder do PSD recusa a ideia de ter rejeitado os apoiantes de Paulo Rangel e explicou que para fazer a lista de deputados teve em conta a renovação, a competência e a lealdade. Rui Rio garante ainda que há muitos nomes que nunca o apoiaram, mas não quis dizer quais. “Há muitas pessoas que não estiveram comigo na eleição e estão em lugar elegível e há ainda pessoas que nunca me apoiaram” referiu o líder do PSD que questionado para dizer os nomes recusou fazê-lo.

As listas de deputados deixam de fora os líderes das distritais de Viseu, Porto, Faro, Guarda e Coimbra. Rui Rio que saiu satisfeito da reunião porque “teve uma vitória depois de ter perdido duas vezes no conselho nacional no último mês, reconhece que nem todos vão estar ao seu lado na campanha de janeiro. “ Haverá sempre um ou outro que não se sente à vontade para fazer isso pelo seu descontentamento, mas são casos pontuais, mas o partido como um todo está de certeza absoluta unido” garantiu o líder social democrata.

Rangel deixa críticas ao líder do partido

Paulo Rangel, que perdeu as directas para Rui Rio, foi ao conselho nacional dizer que “Rio disse que abriu a porta para criar um clima de equilíbrio de unidade no partido, mas não fez qualquer esforço nesse sentido” concluindo que “não há diversidade no PSD”. À saída o eurodeputado garantia que “não existiu um sinal construtivo no sentido da diversidade” mas este capítulo está fechado e Paulo Rangel assegura que a aproxima batalha é a das legislativas afirmando que vai apoiar o PSD com esta alternativa.

O conselho nacional aprovou ainda a mudança de local do congresso do PSD, de Lisboa para Santa Maria da Feira, por razões sanitárias e financeiras. Nos próximos dias vão ser definidas as regras para o congresso, devido à pandemia, sendo que uma delas passa por exigir teste negativo à covid 19.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Cidadao
    08 dez, 2021 Lisboa 12:26
    Agora que "limpou" a área colocando os seus próximos e correndo com os adversários, acabaram todas as desculpas: se o PSD levar um "capote" nas Eleições, ou uma vez na oposição, continuar a ser o inerte mendigo que foi nos últimos 3 anos, a responsabilidade é só sua. Sua, e dos que votaram para o reeleger.

Destaques V+