Tempo
|
A+ / A-

Chega não é uma ameaça a eventual governo do PSD, diz David Justino

29 nov, 2021 - 10:00 • Miguel Coelho , Filipe d'Avillez

Para o vice-presidente do PSD o partido de André Ventura não é mais do que um partido de protesto.

A+ / A-

O vice-presidente do PSD afirma que o Chega não é uma ameaça a um eventual governo do PSD e pisca o olho ao CDS e Iniciativa liberal.

Depois de Rui Rio ter vencido as eleições internas do PSD, David Justino confirma que o agora candidato a primeiro-ministro vai manter muitas das propostas apresentadas em 2019, como a redução de impostos e da divida pública.

David Justino descarta que o Chega seja uma ameaça, descrevendo-o como um partido de protesto. “Não há esse risco, até porque o próprio Chega se excluiu daquilo que é uma visão moderada e uma visão adequada aos desafios do país. O Chega é, acima de tudo, um pequeno partido de protesto. É de direita, mas não deixa de ser um partido de protesto.”

“Outros partidos, seja a Iniciativa Liberal, seja o CDS, ou o PSD, não são partidos de protesto, são partidos responsáveis que respondem aos problemas do país. Não nos orientamos por encontrar três ou quatro bandeiras muito sonantes e fazermos campanhas em torno de bandeiras”, diz ainda.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Luiz
    01 dez, 2021 SANTO ANTÓNIO DOS CAVALEIROS 16:39
    Qual a diferença entre o Justino e o Ventura? Comungam na mesma madraça!

Destaques V+