Tempo
|
A+ / A-

Paulo Rangel quer dar prémios aos funcionários públicos

22 nov, 2021 - 11:40 • Manuela Pires

O candidato à liderança do PSD defende que o partido só será alternativa ao Governo socialista se mudar de estratégia e de líder.

A+ / A-

Na moção de estratégia de Paulo Rangel, que vai ser entregue esta tarde, o candidato à liderança do PSD, defende que “os funcionários públicos devem beneficiar de prémios, não apenas em função dos resultados alcançados, mas também das poupanças que o Estado consiga obter”, lê-se no capítulo sobre administração pública a que a Renascença teve acesso.

Rangel entende que um dos pontos essenciais para acelerar o crescimento da economia é alterar o paradigma de relacionamento entre o Estado e os cidadãos e apostar na descentralização para as autarquias locais. Quer ainda reforçar a participação regional nas instâncias de decisão central, e defende, por isso, um Conselho de Ministros para o território que deve ter a periodicidade mensal, “que integre os ministros competentes em razão da matéria e os presidentes das CCDR’s.”

O candidato à liderança defende ainda que as CCDR (Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional) devem ter “representação direta na cúpula decisória de agências económicas do Estado (AICEP, COMPETE)”.

Rangel quer criar uma agência anticorrupção

Noutro capítulo assume que o combate à corrupção é uma das suas prioridades e por isso propõe a criação de uma “agência anticorrupção altamente especializada e com poderes efetivos de investigação e prossecução criminal”, lê-se na moção de estratégia global.

O texto intitulado “Portugal: Ambição e Esperança” tem perto de 60 páginas, onde se apresentam medidas e propostas-piloto elaboradas pela equipa liderada por Miguel Poiares Maduro e pelo economista Fernando Alexandre.

Na área da educação, Paulo Rangel define três prioridades, que já tinha revelado na entrevista à RenascençaRenascença, como a aposta no ensino pré-escolar gratuito e universal, o aumento da formação profissional e técnico-profissional e por último “desenvolver um ecossistema de inovação e empreendedorismo ligando as universidades às 'start-ups' e atraindo talentos empreendedores nacionais e estrangeiros”, lê-se no documento.

A moção, que é entregue esta tarde na sede do partido, no momento em que Paulo Rangel formaliza a candidatura à liderança do PSD, começa por sublinhar que o partido precisa de mudança para ser a alternativa a um Governo socialista, “precisa de mudar de estratégia e mudar de líder”.

O texto faz um diagnóstico crítico aos últimos anos de governação socialista, mas aponta também erros à oposição que não soube nem apresentar uma alternativa clara, nem denunciar as falhas do Governo de António Costa.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Joaquim
    23 nov, 2021 Porto 11:02
    Mais um ultraliberal em cena. De trapalhadas , despedimentos, roubo das reformas, emigração, triplicação de impostos, no tempo da governação do genocídio do Cornelho.
  • Rui
    23 nov, 2021 Faro 10:53
    Não são os funcionários públicos que precisam de prémios. Reparem nos políticos que temos.

Destaques V+