Tempo
|
A+ / A-

Crise Açores

Rangel respeita autonomia regional e diz que Açores tratarão "como entenderem"

17 nov, 2021 - 22:56 • Lusa

O candidato à liderança do PSD Paulo Rangel defendeu hoje que os Açores deverão tratar "como entenderem" uma eventual crise no Governo Regional causada pela retirada do apoio do Chega, apontando que respeita a autonomia regional.

A+ / A-

O candidato à liderança do PSD Paulo Rangel defendeu esta quarta-feira que os Açores deverão tratar "como entenderem" uma eventual crise no Governo Regional causada pela retirada do apoio do Chega, apontando que respeita a autonomia regional.

"É uma questão de autonomia regional, eu acho que não devemos interferir nisso especialmente porque estamos num processo que é um processo muito delicado que já conhecemos em Portugal, que é o processo de aprovação do orçamento", afirmou, em entrevista à CMTV.

Nesta entrevista, o candidato à presidência do PSD foi questionado sobre o anúncio feito pela direção nacional do Chega de que pediu ao Chega Açores para retirar o apoio ao Governo regional (de coligação PSD/CDS-PP/PPM), acabando com o acordo de incidência parlamentar, em resposta à rejeição pelo presidente do PSD de acordos pós-eleitorais a nível nacional com o partido.

Paulo Rangel disse respeitar "a autonomia regional" e defendeu que "é uma questão dos Açores, que os Açores tratarão como entenderem".

O eurodeputado social-democrata salientou também que o PSD não pode "ter acordos com o Chega" e referiu que "o PSD regional até nem tem tido o apoio do Chega", dado que um dos deputados eleitos "saiu do Chega" e o "outro não vai querer apoiá-lo".

Na entrevista, o candidato às eleições diretas do PSD falou também sobre questões internas do partido e as eleições legislativas antecipadas de 30 de janeiro.

Paulo Rangel mostrou-se "muito tranquilo e muito sereno" quanto à elaboração das listas de deputados e disse que, se for eleito líder, terá "legitimidade política e democrática para conduzir o processo das legislativas", o que fará "com respeito pelos órgãos partidários mas com bom senso".

E defendeu que o líder eleito "terá de ter um papel muito relevante na feitura das listas".

Apontando que "há 23 dias" para tratar das listas de deputados, que têm de ser entregues a 20 de dezembro, Rangel considerou que "não há razão para nenhuma angústia nem para nenhuma pressa", indicando que parece que "alguém está preocupado em reservar o seu lugar".

O candidato à liderança do PSD considerou também que o voto no PS "vai ser um voto inútil" e disse que, se for eleito líder, vai "pedir uma maioria absoluta ou uma maioria estável" e admitiu construir "uma solução de governo estável" com o CDS e a Iniciativa Liberal.

Questionado se deixa a liderança do partido caso perca as eleições legislativas, Paulo Rangel recusou olhar para as legislativas "como um tabuleiro de xadrez" ou comentar cenários.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+