Tempo
|
A+ / A-

Uma nova geringonça igual à primeira? “Não se repetirá”, diz Jerónimo de Sousa

04 nov, 2021 - 08:18 • Olímpia Mairos com Lusa

O secretário-geral comunista faz depender o grau de compromisso do PCP com o nível de convergência do Governo.

A+ / A-

Jerónimo de Sousa diz que a geringonça, tal como existiu, foi uma fase da política nacional, que não volta a acontecer. Parece ser um aviso do secretario-geral do PCP ao ministro Pedro Nuno Santos, depois deste ter dito que a "geringonça não foi um parênteses na história da democracia", acreditando no seu futuro.

Em entrevista à RTP 3, Jerónimo de Sousa não fecha a porta a entendimentos com o PS, mas disse que a gerigonça não se vai repetir.

“Não se repetirá tal qual, de certeza. Se estamos disponíveis para medidas positivas, de fazer convergência, designadamente com o PS, mas não só, cá estaremos para fazer isso”, afirmou.

E, segundo Jerónimo de Sousa, o grau de compromisso do partido é decidido pelo "nível de convergência" do Governo, defendendo que foi o PS que quis acabar com o entendimento dos últimos seis anos.

“O nível de convergência é que determina o grau de compromisso. Este é um princípio fundamental. O que for positivo [no futuro], naturalmente, terá o apoio do PCP. Se entendermos que não é positivo, votaremos contra.”

O secretário-geral do PCP acusou ainda o PS de “desistir do Orçamento”, argumentando que António Costa quer conquistar uma maioria absoluta para os socialistas.

Também rejeitou a ideia de que o partido seja responsável pelo quadro de crise política, atribuindo as culpas ao Governo, por ter rejeitado as propostas comunistas, nomeadamente, em termos do aumento significativo do salário mínimo e das pensões, o reforço do Serviço Nacional de Saúde (SNS) ou, até, a revogação da caducidade da contratação coletiva.

As culpas são repartidas também com o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, por ameaçar com eleições legislativas antecipadas, na sequência do 'chumbo' do Orçamento do Estado.

"Essa questão colocada pelo Presidente da República só compromete o Presidente da República e a solução não estava nas mãos do PCP, estava no próprio Governo do PS que desistiu de conversar connosco, na parte final", disse Jerónimo de Sousa, acrescentando que o chefe do Estado foi "desadequado", já que, "nem com esse anúncio, nem com o silêncio do Governo, se resolve um único problema nacional".

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+