Tempo
|
A+ / A-

CGTP contra eleições legislativas antecipadas

29 out, 2021 - 19:21 • Ricardo Vieira

Posição foi comunicada por Isabel Camarinha após uma audiência com o Presidente da República.

A+ / A-

A CGTP considera que não há necessidade de eleições legislativas antecipadas após o chumbo da proposta de Orçamento do Estado para 2022 (OE2022).

A posição da central sindical foi transmitida esta sexta-feira pela secretária-geral, Isabel Camarinha, no final de uma audiência com o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa.

“Não consideramos que haja necessidade de eleições antecipadas, mas isso será uma decisão do senhor Presidente”, declarou Isabel Camarinha.

A secretária-geral da CGTP considerou que há matérias a que o Governo continua a ter de dar resposta, mesmo com o parlamento dissolvido, defendendo ser “fundamental” que haja um novo salário mínimo em janeiro de 2022.

“Independentemente da decisão do senhor Presidente da República de dissolver ou não a Assembleia da República e convocar eleições antecipadas, há respostas que continuam a ser necessárias”, referiu Isabel Camarinha.

Em conferência de imprensa no final da reunião com o Presidente da República, no Palácio de Belém, a líder da CGTP disse que a luta pelos direitos dos trabalhadores têm que continuar e, por isso, a greve da função pública de 12 de novembro e manifestação nacional de 20 de novembro não vão ser desmarcadas.

"Os problemas dos trabalhadores continuam a ter necessidade de resposta, portanto, os trabalhadores têm que manifestar a sua exigência, a sua reivindicação para que essa resposta seja dada. Por isso, tem todo o sentido e mantêm-se as razões todas que nos levaram a decidir a convocação da manifestação nacional", sublinha Isabel Camarinha.

O Presidente da República está esta sexta-feira a receber os parceiros sociais e, no sábado, Marcelo Rebelo de Sousa tem audiências marcadas com os partidos com assento parlamentar.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+