Tempo
|
A+ / A-

CDS decide na sexta-feira sobre adiamento do congresso

28 out, 2021 - 19:24 • Lusa

Reunião do Conselho Nacional foi pedida pelo líder do partido, Francisco Rodrigues dos Santos, na sequência da crise política.

A+ / A-

O Conselho Nacional do CDS-PP vai reunir-se na sexta-feira com caráter de urgência para decidir sobre a realização do 29.º Congresso do partido e analisar a situação política, reunião pedida pelo líder na sequência da crise política.

De acordo com a convocatória, à qual a agência Lusa teve acesso, o presidente do Conselho Nacional, Filipe Anacoreta Correia, convocou "com caráter de urgência, o Conselho Nacional do CDS-PP para reunir extraordinariamente no próximo dia 29 de Outubro de 2021, com início às 19:00, por videoconferência".

A ordem de trabalhos da reunião de sexta-feira é composta por dois pontos: "deliberação sobre a realização do XXIX Congresso Nacional" e "análise da situação política".

O presidente do Conselho Nacional justifica que "a urgência no envio da convocatória decorre do processo constitucional em curso para dissolução da Assembleia da República e convocação de novas eleições, nomeadamente do agendamento da audiência do presidente do partido com o senhor Presidente da República", que será no sábado.

Esta reunião foi agendada na sequência de o líder do CDS-PP, Francisco Rodrigues dos Santos, ter solicitado uma reunião urgente do órgão máximo entre congressos para "deliberar sobre a realização" da reunião magna do partido, marcada para 27 e 28 de novembro.

Francisco Rodrigues dos Santos refere que tomou esta decisão no seguimento da carta que lhe foi enviada por vários líderes distritais do partido e pelo líder regional dos Açores, "por não ser indiferente aos argumentos ali apresentados a favor da necessidade de dar prioridade à preparação atempada das eleições legislativas, em detrimento da realização imediata de um congresso".

Vários líderes distritais do CDS-PP enviaram uma carta ao presidente do partido apelando-lhe para que convoque um Conselho Nacional extraordinário com vista a adiar o congresso eletivo marcado para o final de novembro, na sequência da crise política.

"A realização de um congresso em vésperas de eleições alhearia o partido da importante tarefa que o nosso eleitorado espera de nós. É por isto que lhe pedimos que solicite, com urgência, a realização de um Conselho Nacional extraordinário que desconvoque o congresso e que mobilize o partido para a sua missão essencial: ganhar o país", pedem os dirigentes.

A carta enviada ao líder do CDS-PP, e à qual a agência Lusa teve hoje acesso, é assinada pelo presidente do CDS-PP/Açores, Artur Lima, e também pelos presidentes das comissões políticas distritais de Aveiro, Ricardo Silva, de Coimbra, Jorge Alexandre Almeida, de Leiria, Rosa Guerra, do Porto, Fernando Barbosa, de Santarém, Pedro Pereira, de Setúbal, João Merino, de Viana do Castelo, Paulo Sousa, de Vila Real, Gonçalo Nascimento Alves, e de Viseu, José Pinto.

Assinam também delegados distritais de Beja, Bragança, Portalegre e Faro.

O 29.º Congresso do CDS-PP está agendado para os dias 27 e 28 de novembro e são candidatos à liderança o atual presidente, Francisco Rodrigues dos Santos, e o eurodeputado e líder da distrital de Braga, Nuno Melo.

O CDS-PP convocou para hoje uma reunião da Comissão Política Nacional, órgão alargado de direção do partido, "com caráter urgente", para "análise da situação política do partido e do país", disse à Lusa fonte oficial.

O presidente do CDS-PP, Francisco Rodrigues dos Santos, tinha admitido que o congresso do partido pudesse ser adiado caso o Orçamento do Estado para 2022 (OE2022) fosse chumbado, como se verificou na quarta-feira.

A Assembleia da República "chumbou" na quarta-feira, na generalidade, o OE2022, abrindo caminho a eleições legislativas antecipadas.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+