Tempo
|
A+ / A-

OE2022. É bom mas não chega, diz PCP

23 out, 2021 - 09:38 • Marta Grosso

“Os partidos não podem ser colocados sob chantagem”, diz o deputado António Filipe, numa reação imediata aos anúncios feitos pelo primeiro-ministro na última noite.

A+ / A-

Não chega, diz o deputado comunista António Filipe sobre as propostas conhecidas na madrugada deste sábado para o Orçamento do Estado para 2022.

No “Expresso da Meia-Noite”, o também membro do comité central do PCP avisou que não é suportável a ideia de aprova ou viabilizar um Orçamento que prevê o aumento das pensões, mas que não resolve os grandes problemas do país.

“Olhamos agora para o país e vemos que as pessoas olham com grande perplexidade para a falta de resolução dos problemas”, considerou.

“O balanço que fazemos hoje é que o OE não basta, tem de se integrar numa resolução mais vasta de problemas. Porque não é suportável a ideia de nós viabilizarmos um OE que tem aqui um aumento das pensões, uma cedência do Governo nas creches, mas depois arriscamos a chegar ao final do ano e os grandes problemas continuarem a não estar resolvidos”, sustentou.

Na tentativa de garantir a viabilização do Orçamento, António Costa entregou, na terça-feira, a Jerónimo de Sousa as propostas reforçadas, prevendo um aumento ainda maior de pensões e compromisso de gratuitidade das creches.

Na última noite, António Filipe elencou aqueles que lhe parecem ser os grandes problemas do país, a que “não podemos continuar a assistir”: o “adiar sistematicamente a reversão das medidas mais gravosas da troika”, também de “não haver aumento significativo do salário mínimo”.

Além disso, critica, “há aqui uma espécie de bloqueio da resolução dos problemas. Em tudo quanto é setores da Administração Pública – saúde, segurança, justiça, professores – encontramos enorme insatisfação. Seja ao nível salarial, seja de progressões, de condições e trabalho. Ou é dada uma resposta, ou cria-se uma enorme insatisfação nas pessoas”, avisou.

Quanto à eventualidade de eleições antecipadas poderem provocar maiores danos, o deputado comunista diz que “ao não responder aos problemas, estamos a caminhar para uma crise social e, inevitavelmente, para uma crise política”.

António Filipe considera ainda que “os partidos não podem ser colocados sob chantagem”.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+