Tempo
|
A+ / A-

André Ventura requereu abertura de instrução em processo de crime de desobediência nas Presidenciais

09 out, 2021 - 16:30 • Lusa

O antigo candidato presidencial juntou cerca de 170 pessoas dentro de um espaço "com cerca de 350 metros quadrados", de acordo com o que GNR constatou na altura, durante o estado de emergência.

A+ / A-

O presidente do Chega, André Ventura, requereu a abertura de instrução no processo em que está acusado do crime de desobediência simples por causa de um jantar-comício que decorreu durante a campanha para as presidenciais, em janeiro.

Ventura e mais três arguidos no processo em questão requereram a abertura de instrução, cuja decisão foi conhecida na sexta-feira, confirmou à Lusa o deputado único do Chega.

O presidente do partido também confirmou que vai comparecer em tribunal no dia 5 de janeiro de 2022.

Em causa está um jantar-comício realizado em 17 de janeiro deste ano, no restaurante Solar do Paço, nos arredores de Braga, enquanto Ventura era candidato à Presidência da República e durante o mês mais duro desde o início da pandemia, em número de vítimas mortais e infeções diárias.

O antigo candidato presidencial juntou cerca de 170 pessoas dentro de um espaço "com cerca de 350 metros quadrados", de acordo com o que GNR constatou na altura, durante o estado de emergência.

No início de maio, a juíza de instrução criminal do Tribunal Judicial da Comarca de Braga pediu autorização ao parlamento para constituir Ventura como arguido.

De acordo com o pedido de abertura de instrução agora aceite, a que a agência Lusa teve acesso, é alegado que André Ventura, "na qualidade de candidato presidencial esteve presente no jantar-comício, no entanto, não teve qualquer responsabilidade na organização, logística e no pedido de autorização" para a realização do evento, acrescentando que o jantar-comício ocorreu em contexto de "campanha eleitoral" e "respeitou as regras sanitárias".

Por essa razão, "tratou-se, claramente, de um evento político-partidário permitido por lei", é fundamentado.

A sustentação da defesa do presidente do Chega também referiu que "não sendo o decreto presidencial uma lei, jamais poderia criminalizar uma conduta que não estivesse já prevista e punida por lei".

"A criação de tipos de ilícitos é, nos termos do artigo 165 nº 1) da Constituição da República Portuguesa, matéria da reserva relativa da Assembleia da República. O artigo em questão explicita que "é da exclusiva competência da Assembleia da República legislar sobre as seguintes matérias, salvo autorização ao Governo", nomeadamente, a "definição dos crimes, penas, medidas de segurança e respetivos pressupostos, bem como o processo criminal".

"Entende, pois, o arguido que a competência reservada (relativa)" do parlamento "não se mostra excecionada nem mesmo pelo estado de exceção", é alegado.

André Ventura também entender que "para haver crime de desobediência, e no que concerne à verificação dos elementos objetivos do tipo legal de crime, terá sempre de haver primeiro uma cominação concreta da prática de tal crime feita por uma autoridade competente que tenha ordenado a cessação da transgressão, como estabelece o Código Penal".

Por esse motivo, alega, "a punição como crime de desobediência do simples incumprimento das normas do estado de emergência, sem desobediência à ordem concreta" de uma autoridade policial, "viola o princípio da legalidade com inscrição constitucional".

André Ventura argumentou ainda que as "atividade levadas a cabo" no âmbito da campanha eleitoral estavam "genericamente autorizadas", já que "beneficiavam de uma exceção em relação às restantes regras do estado de emergência".

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+