Tempo
|
A+ / A-

Autárquicas 2021

Pedro Nuno Santos diz que derrota não é o fim da carreira política de Medina

28 set, 2021 - 16:06 • Lusa

Sobre Carlos Moedas, o ministro manifestou preocupação com eventuais estratégias que possa vir a desenvolver na área da habitação e da mobilidade.

A+ / A-

O ministro das Infraestruturas e da Habitação reconheceu esta terça-feira a importância da Câmara de Lisboa, mas considerou que a perda da maior câmara do país não determina o futuro político de Fernando Medina.

"Fernando Medina é um dos melhores quadros políticos do país. Era só o que faltava que agora o futuro de um político terminasse com uma derrota. As derrotas fazem parte da democracia e nós temos de saber conviver com elas, aprender com elas, tirar lições delas, tentar perceber o que é que correu bem ou mal", disse.

"Agora ditar o fim do percurso político do Fernando Medina por causa do resultado em Lisboa acho que é uma forma errada de olharmos para a democracia, de vivermos em democracia e de respeitar a democracia", acrescentou Pedro Nuno Santos.

O ministro das Infraestruturas e da Habitação sublinhou que não ignora a importância da Câmara Municipal de Lisboa, mas lembrou que o PS ganhou mais de 150 câmaras municipais em todo o país nas eleições autárquicas do último domingo, pelo que considera tratar-se de uma vitória do PS, e não de uma derrota só por ter perdido a capital do país. E lamentou que Lisboa tivesse perdido um presidente "com visão de futuro".

"Verdadeiramente acho que nós tínhamos um bom presidente de câmara, que tinha uma visão de futuro para a cidade de Lisboa, estava a proceder a um desenvolvimento muito importante da cidade, tinha conseguido resultados muito importantes em matéria de mobilidade, que agora estão em risco. E estava a fazer um grande trabalho em matéria de habitação acessível. Acho que perdemos um grande presidente de câmara. E olho com alguma preocupação para o futuro de Lisboa", disse.

Sobre o presidente eleito da Câmara de Lisboa, Carlos Moedas (PSD), o ministro manifestou preocupação com eventuais estratégias que possa vir a desenvolver na área da habitação e da mobilidade.

"Vamos ter um presidente de câmara que acha que o futuro da cidade de Lisboa são os automóveis. E que acha que a forma de resolver o problema é criar parques de estacionamento à volta da cidade de Lisboa. Preocupa-me que o futuro presidente da Câmara de Lisboa possa interromper todo o ciclo de investimento em habitação acessível que estava a ser feito e volte a acreditar que é o mercado que vai resolver os problemas de habitação dos lisboetas. Estou muito preocupado. O meu filho vive em Lisboa. E eu também vivo em Lisboa", disse Pedro Nuno Santos.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+