Tempo
|
A+ / A-

BE acusa Governo de não ter medidas para os problemas que diagnostica

28 ago, 2021 - 19:12 • Lusa

Numa reação à intervenção de António Costa no congresso do PS, Catarina Martins admitiu que o diagnóstico de alguns dos problemas do país está correto, mas adiantou que as preocupações elencadas não têm correspondência nas medidas tomadas.

A+ / A-

Em declarações aos jornalistas em Braga, à margem do Fórum Socialismo, Catarina Martins manifestou ainda “enorme disponibilidade” do Bloco para discutir e eventualmente viabilizar o próximo Orçamento do Estado, desde que o Governo aceite alterações estruturais em áreas como o trabalho, saúde e segurança social.

“Há uma lição que esta crise [pandémica] nos deu e que faltou talvez no diagnóstico do primeiro-ministro, que é o facto deque atrasar medidas ou ter anúncio de medidas que não chegam ao terreno é também agravar a crise”, referiu.

Numa reação à intervenção de António Costa no congresso do PS, Catarina Martins admitiu que o diagnóstico de alguns dos problemas do país está correto, mas adiantou que as preocupações elencadas não têm correspondência nas medidas tomadas.

“Quando ouço as preocupações muito justas sobre a habitação, o Serviço Nacional de Saúde (SNS) ou o trabalho, não deixo também de pensar que as medidas que o Governo colocou no terreno até agora e que está a preparar não respondem aos problemas que são diagnosticados”, criticou.

Para a líder do Bloco, é preciso “fazer muito mais” desde logo no SNS, para garantir “um programa de recuperação de todos os cuidados não covid”.

Catarina Martins disse que é igualmente preciso “fazer muito mais” nas questões laborais para combater a precariedade, considerando que nenhuma das medidas que o Governo entregou na concertação social “vai à raiz dos problemas”.

“O diagnóstico é certo, mas as medidas não têm capacidade para resolver os problemas”, disse ainda.

Catarina Martins reiterou que o BE tem “enorme disponibilidade” para, no âmbito do próximo Orçamento do Estado, discutir mudanças estruturais que resolvam os problemas do SNS, no trabalho e nos apoios sociais.

“Tivemos [enorme disponibilidade] no ano passado, mantemos neste, com prioridades que temos vindo a elencar e que não mudaram (…). Dissemos sempre que era preciso mais no SNS, mais no apoio social e rápido a quem perdeu tudo e combater a precariedade com medidas estruturais”, referiu.

Segundo a líder do Bloco, no ano passado, o Governo “não quis aceitar nenhuma das propostas do BE e recusou qualquer alteração estrutural nestes campos fundamentais”, razão pela qual o partido votou contra o Orçamento.

“Esperemos que este ano o Governo queira fazer alguma mudança estrutural para resolver estes problemas que são estruturais eles também. Aguardamos”, vincou.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+