Tempo
|
A+ / A-

Afeganistão. Catarina Martins apela a mudança na política internacional

26 ago, 2021 - 20:09 • Lusa

A líder bloquista disse que o partido está "naturalmente muito preocupado" com o que está a acontecer no Afeganistão, "em particular, com a situação das mulheres afegãs, das meninas afegãs".

A+ / A-

A líder do bloco de Esquerda (BE) defendeu que o que está a acontecer no Afeganistão "devia mudar muito a política internacional" e disse que Portugal deve fazer a sua parte para receber afegãos.

"É com imensa apreensão que vemos o que está a acontecer e tudo isto devia mudar muito a política internacional. Devemos agora acudir muito rapidamente, o melhor que pudermos, a quem precisa e é preciso, seguramente deixar de financiar o ódio e o terrorismo islâmico e os talibãs que são financiados pelos regimes e pelos negócios amigos, precisamente dos aliados que também invadiram o Afeganistão", disse Catarina Martins.

A líder bloquista disse que no partido estão "naturalmente muito preocupados" com o que está a acontecer no Afeganistão, "em particular, com a situação das mulheres afegãs, das meninas afegãs".

"Achamos que Portugal, neste momento, deve fazer a sua parte para receber refugiados e refugiadas. A Câmara de Lisboa, o Bloco de Esquerda, pelos Direitos Sociais garante que, chegando, estão condições reunidas para receber quem chegue. Agora é preciso que as pessoas possam chegar em segurança e esse é, realmente, a enorme preocupação que temos neste momento", admitiu.

A coordenadora nacional do BE, que falava aos jornalistas em Mortágua, afirmou que "não foi feito o que era preciso até agora", desde a invasão do Afeganistão, até ao momento.

"A invasão foi um crime de guerra, ou seja, invadiu-se um país para procurar um terrorista, o que é absolutamente desproporcional. A invasão foi feita num país e depois não teve em conta as próprias condições de vida da generalidade da população e isso prova-se com a força que os talibãs, grupo extremista, subjuga o povo afegão", apontou.

Neste sentido, considerou que "se os talibãs tivessem investido nas condições de educação, de saúde, de emancipação, de emprego do povo afegão não teriam o poder que têm agora" no Afeganistão.

"Continuam negócios, milhões e milhões que foram gastos, armamento que é entregue aos talibãs. O negócio do ópio que só cresceu durante todo o período da invasão e, portanto, foi tudo um desastre", acusou.

No seu entender, "esta retirada é também um desastre", por parte dos militares norte-americanos, uma vez que, para Catarina Martins, "deixa-se na mão aquelas pessoas que ajudaram, ainda por cima, as tropas que lá estiveram".

Saiba Mais
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+