Tempo
|
A+ / A-

Autárquicas. Rui Rio rejeita ideia de "pântano" à direita

25 ago, 2021 - 14:25 • Lusa

Autárquicas têm "particular importância" porque o PSD precisa de recuperar "muito terreno perdido", mas que "não são decisivas para o futuro", afirma o líder social-democrata.

A+ / A-

O presidente do PSD rejeitou hoje a acusação do primeiro-ministro de que existe "um pântano" à direita e afirmou não estar "minimamente preocupado" com o resultado das autárquicas, que, no entanto, admitiu terem "particular importância" para o PSD.

"Talvez o doutor António Costa se tenha lembrado do engenheiro Guterres quando fala em pântano. Eu não vejo pântano rigorosamente nenhum, vejo umas eleições autárquicas normais", afirmou Rui Rio durante a sua primeira iniciativa de pré-campanha, no Marco de Canaveses.

Questionado pelos jornalistas sobre as declarações do primeiro-ministro, António Costa, sobre a existência de um "pântano" à direita e do secretário-geral adjunto do PS de não se conhecerem as propostas do PSD, Rui Rio disse ter "vergonha".

"O doutor António Costa disse que o PSD não tem ideias, ora bom, eu tinha vergonha de dizer isso. (...) Apresentamos documentos e documentos, uns atrás dos outros, até uma revisão constitucional, uma reforma do sistema eleitoral, para lá dos documentos que lhe foram entregues em mãos de reforma da Justiça. António Costa diz que desconhece isto em absoluto? Mas afinal que primeiro-ministro é se não tem noção nenhuma daquilo que o principal partido da oposição defende?", referiu.

O líder do PSD criticou ainda o Partido Socialista, classificando-o como o "partido do imobilismo" que "quer mudar apenas o suficiente para que tudo fique na mesma".


Questionado sobre a importância das eleições autárquicas para o PSD, Rui Rio salientou que assumem "particular importância", na medida em que o partido precisa de recuperar "muito terreno perdido", mas que "não são decisivas para o futuro".

"Não são decisivas para o futuro do PSD, são muito importantes. O PSD não vai acabar, nem vai ficar fortíssimo se ganhar mais 10 ou menos 10 câmaras municipais", salientou, acrescentando não estar "minimamente preocupado".

"Qualquer eleição é importante para qualquer líder político, mas não estou minimamente preocupado. Só estou preocupado com uma coisa, procurar fazer o melhor que sei e posso. Propus-me a ser presidente do PSD neste mandato, aquilo que há de mais importante neste mandato são as eleições autárquicas, tenho a obrigação de fazer o melhor que sei, depois, logo se vê", acrescentou.

Questionado sobre uma eventual derrota do partido nas autárquicas, o líder do PSD garantiu que, depois das eleições, os resultados serão analisados e medidos "com serenidade".

Rui Rio, que arrancou hoje no Marco de Canaveses, distrito do Porto, a pré-campanha eleitoral, mostrou-se confiante com a possibilidade de "ganhar muitas câmaras municipais".

"O Marco de Canaveses é uma das câmaras municipais onde penso que temos fortes hipóteses de ganhar, não só pela fraca qualidade municipal como pela grande qualidade da nossa candidata. Aqui também é simbólico porque é uma câmara que penso que o PSD tem fortes hipóteses de recuperar", disse.

As eleições autárquicas estão marcadas para 26 de setembro.

Em Portugal há 308 municípios (278 no continente, 19 nos Açores e 11 na Madeira) e 3.092 freguesias (2.882 no continente, 156 nos Açores e 54 na Madeira).

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Cidadao
    25 ago, 2021 Lisboa 13:42
    Continua a achar que foi Oposição, pelos vistos. Mas foi tão "Oposição" que quando se olha para trás, não se vê nada de relevante, nada de denúncias dos múltiplos erros do governo-PS, nada de apresentar alternativas que não sejam mais do mesmo com outro nome, nada do que deve ser uma Oposição. E mascara isso tudo, com os "múltiplos relatórios e iniciativas" de "Reformas" não acolhidas pelo PS - que está no seu direito de as rejeitar, o PSD é que devia defendê-las muito mais do que as defendeu, mas se calhar não o fêz porque são iguais às medidas do Portas para a "reforma do Estado" das quais ainda hoje há quem se ria. O PSD pode ter sido um "parceiro silencioso" do PS. Oposição, nunca foi. As autárquicas vão ser um novo desaire para o PSD por causa disso mesmo. Importantes? São sempre, mas aqui são mais para serem a sua bóia de salvação

Destaques V+