Tempo
|
A+ / A-

André Ventura condenado a pedir desculpa a família a quem chamou "bandidos"

24 mai, 2021 - 19:39 • Lusa

A juíza do tribunal de Lisboa reconhece as "ofensas ao direito à honra e ao direito de imagem" da família Cotxi quando Ventura exibiu a sua fotografia, num debate televisivo para as presidenciais, em janeiro, tendo-lhes chamado "bandidos". O partido e o seu líder vão recorrer da decisão.

A+ / A-

O deputado e líder do Chega André Ventura foram condenados, esta segunda-feira, em tribunal, por "ofensas ao direito à honra" de uma família do Bairro Jamaica, Seixal, por lhes ter chamado "bandidos", e vai ter de pedir-lhes desculpa.

Na sentença, a que a Lusa teve acesso, a juíza do tribunal de Lisboa reconhece as "ofensas ao direito à honra e ao direito de imagem" da família Cotxi quando Ventura exibiu a sua fotografia, num debate televisivo para as presidenciais, em janeiro, tendo-lhes chamado "bandidos".

Tanto André Ventura como o partido terão de fazer um pedido de desculpa, "escrita ou oral", de "retratação pública" quanto aos factos praticados, que deverá ser publicada pelos meios de comunicação social onde foram "originalmente divulgadas" as "publicações ofensivas dos direitos de personalidade" (SIC, SIC Notícias, TVI) e também na conta do Chega no Twitter.

Se não o fizerem no prazo de 30 dias após o trânsito em julgado da sentença, Ventura e o partido terão de pagar uma sanção de 500 euros por dia de atraso.

Na primeira sessão do julgamento, em 10 de maio, André Ventura declarou que não pretendia ofender a família do Bairro da Jamaica a quem se referiu como "bandidos" durante um debate da campanha presidencial e disse que voltaria a dizer o mesmo.

O tribunal condenou ainda Ventura e o Chega a publicarem e custearem a publicação da sentença "nos mesmos meios de comunicação social onde as declarações ofensivas" divulgadas (SIC, SIC Notícias, TVI) e também na conta do Chega no Twitter, com o mesmo prazo de 30 dias "após o trânsito em julgado da decisão".

Numa declaração à Lusa, a advogada da família, Leonor Caldeira, afirmou ter recebido com "enorme entusiasmo" esta sentença pelo que significa para a "afirmação dos direitos humanos" e que vem provar que "humilhar pessoas negras e pobres não é uma arma retórica à disposição de atores políticos".

"Num Estado de Direito democrático são os tribunais que definem as linhas vermelhas da liberdade de expressão. Com esta decisão, ficamos a saber que humilhar pessoas negras e pobres não é uma arma retórica à disposição de atores políticos – e essa certeza é muito importante para a afirmação dos direitos humanos e, concretamente, para proteção do direito fundamental à honra e à imagem de todos", sustentou Leonor Caldeira.

Nem Ventura nem o Chega fizeram qualquer comentário à decisão do Tribunal Judicial da Comarca de Lisboa.

No primeiro dia do julgamento, o deputado do Chega justificou as suas palavras com a dinâmica do debate político e alegou que recorreu a uma fotografia que "estava disponível" na Internet e que ilustrava a mensagem que queria passar no debate, "evidenciar que o Presidente da República esteve com estas pessoas em concreto e não com a polícia".

Interrogado pela juíza Francisca Preto, no Palácio da Justiça, em Lisboa, no âmbito de um processo por ofensas à honra e direito à imagem, movido por sete membros de uma família residente no Bairro da Jamaica, no Seixal, Ventura declarou que não fica feliz ao ouvir que as suas palavras ofenderam.

E argumentou que "o objetivo político não era retratar pessoas de forma negativa" nem "ofender e humilhar" mas garantiu que "voltaria a fazer hoje essas afirmações".

Aos jornalistas, afirmou que não precisa de pedir desculpa, por entender que não errou.

Perante o tribunal, uma das requerentes, Vanusa Cotxi, disse que se sentiu "ultrajada porque metade das coisas que foram ditas [no debate] não são verdade".

Vanusa afirmou que a forma como André Ventura classificou a sua família "foi uma ofensa" e "foi ultrajante", pelo que requer um pedido de desculpas, e salientou que o seu familiar "foi ilibado das acusações que lhe foram feitas".

Numa mensagem enviada à Renascença, o Chega informa que tanto o partido como o seu líder vão recorrer da decisão.


[Notícia atualizada às 20h48]

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Anónimo
    24 mai, 2021 Lisboa 23:01
    Quanto à maioria das pessoas visadas não sei, mas alguém no seu perfeito juízo acha que uma criança (como a que está na fotografia) é bandida? E o direito à privacidade dessa mesma criança? Chega de Ventiras, Menturas e Andrébices!
  • Uns
    24 mai, 2021 e outros 22:02
    Sou insultado diariamente seja no transito, seja no trabalho, seja quando o governo insulta a minha inteligência vindo para a TV falar que "está tudo bem" quando é o contrário, sou insultado pelos vizinhos barulhentos com musica até às 2.30h pois no outro dia estão na cama toda a manhã... Também posso ir queixar-me destes insultos todos e eles pagarem 500€/dia enquanto não "pedirem desculpa"?
  • EU
    24 mai, 2021 PORTUGAL 19:36
    Esta sentença, quanto a mim é leve demais. Pedir desculpa é a coisa que nada custa. Até à própria sombra por vezes se pede desculpa. Já agora, permitam-me o seguinte. Em outubro de 2020 o MÉDICO/OFICIAL do EXÉRCITO e presidente do SCP não rotulou de bandido o Cidadão Pinto da Costa? Nessa mesma altura não disse que, esse bandido, seria recordado como bandido? Vai o MÉDICO/OFICIAL do EXÉRCITO ser também, ou não, ser CONDENADO? Fico à espera/esperando.

Destaques V+