Tempo
|
A+ / A-

Convenção Bloco de Esquerda

Beatriz Gomes Dias e as pessoas nas "margens" de Lisboa: "São décadas de exclusão da cidade, com custos económicos, sociais tremendos"

22 mai, 2021 - 18:15 • Lusa

A candidata do BE à Câmara de Lisboa, Beatriz Gomes Dias, criticou este sábado as opções do presidente do município, Fernando Medina (PS), e as propostas do candidato Carlos Moedas (PSD), defendendo "uma cidade para todos".

A+ / A-

A candidata do BE à Câmara de Lisboa, Beatriz Gomes Dias, criticou este sábado as opções do presidente do município, Fernando Medina (PS), e as propostas do candidato Carlos Moedas (PSD), defendendo "uma cidade para todos".

Na sua intervenção na XII Convenção Nacional do BE, que decorre entre hoje e domingo, em Matosinhos (distrito do Porto), a candidata às eleições autárquicas (que deverão realizar-se entre setembro e outubro) abordou as desigualdades sociais e apontou a dualidade entre "as margens" e "o centro", considerando que essa perspetiva existe em Lisboa.

"No centro estão os negócios, está a cidade que se rendeu à especulação imobiliária, à "turistificação´ desenfreada, está o programa de renda acessível na versão parceira público privada, que Fernando Medina teima em não deixar e teima em não tornar 100% público", salientou, acrescentando que estão também "as propostas de Carlos Moedas de construção de silos automóveis para trazer ainda mais carros para Lisboa, em contramão com a defesa do planeta e com uma resposta robusta à emergência climática".

Na ótica de Beatriz Gomes Dias, "nas margens estão todas as pessoas que foram privadas da cidade, as que foram obrigadas a sair por causa do aumento brutal do custo das casas, as que nunca puderam voltar e as que nunca chegaram a entrar", lamentando que "demasiadas pessoas foram privadas do direito a habitar e a fruir a cidade onde trabalham e foram empurradas para as periferias, onde faltam serviços e transportes de qualidade".

"São décadas de exclusão da cidade, com custos económicos, sociais tremendos", defendeu, apontando que esta segregação territorial "resulta numa significativa perda de qualidade de vida" e é responsável "pela entrada diária de centenas de milhares de carros em Lisboa", que "envenenam o ar".

A cabeça de lista do BE à Câmara de Lisboa contrapôs ainda que o seu projeto para a capital "defende que uma cidade para todas as pessoas tem de inclui aquelas que estão nas margens".

"Há que trazer as margens para o centro, para o centro da nossa ação política, para o centro da nossa cidade em comum", vincou.

Para a corrida à presidência da autarquia lisboeta, atualmente presidida por Fernando Medina (PS), foram até agora anunciadas as candidaturas de Carlos Moedas (coligação PSD/CDS-PP/PPM/MPT/Aliança), João Ferreira (CDU), Beatriz Gomes Dias (BE), Bruno Horta Soares (IL), Nuno Graciano (Chega) e Tiago Matos Gomes (Volt).

O executivo da Câmara de Lisboa é atualmente composto por oito eleitos pelo PS (no qual se incluem os Cidadãos por Lisboa), um do BE (que tem um acordo de governação do concelho com os socialistas), quatro do CDS-PP, dois do PSD e dois do PCP.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+