Tempo
|
A+ / A-

BE. Convenção arranca com relação com o PS e Orçamento do Estado em destaque

22 mai, 2021 - 09:30 • Lusa

O próximo Orçamento do Estado, a relação com o PS, as eleições autárquicas e a oposição interna à liderança de Catarina Martins deverão ser os pontos fortes da discussão dos bloquistas, em Matosinhos.

A+ / A-

Com metade dos delegados devido à pandemia, a XII Convenção Nacional do BE arranca hoje em Matosinhos, com cinco moções, antevendo-se que a relação com o PS e o Orçamento do Estado marquem o debate de dois dias.

Sob o lema “Justiça na resposta à crise”, o partido liderado por Catarina Martins reúne-se desde hoje e até domingo no Centro de Desportos e Congressos de Matosinhos, distrito do Porto, uma reunião magna que já tinha sido adiada devido à covid-19 e que agora decorre em diferentes moldes e com várias restrições sanitárias, desde logo a redução para 343 delegados, estando prevista a sua transmissão online.

Em debate estarão cinco moções de orientação política, tendo a eleição de delegados acontecido no passado fim de semana, com a moção A (da atual liderança) a conseguir 233, a moção E (promovida pelos críticos do movimento Convergência) 66, a moção Q nove delegados, a moção C oito lugares, enquanto a moção N ficou com cinco delegados.

As diferentes plataformas locais elegeram, no seu conjunto, os restantes 22 delegados.

Com início dos trabalhos marcado para as 10:30, cerca de uma hora depois está prevista a intervenção de abertura da reunião por parte da coordenadora do BE.

Depois, além das diversas intervenções que habitualmente marcam as convenções, serão discutidas as alterações aos estatutos e, para a parte da tarde, está prevista ainda a apresentação de cada uma das cinco moções de orientação política.

Hoje abrem igualmente as urnas para a eleição dos órgãos nacionais do BE, a Mesa Nacional e Comissão de Direitos.

O próximo Orçamento do Estado, a relação com o PS, as eleições autárquicas e a oposição interna à liderança de Catarina Martins deverão ser os pontos fortes da discussão dos bloquistas.

Em relação ao Orçamento do Estado para 2022 (OE2022), o BE tem-se mostrado disponível para negociar e Catarina Martins já deixou alertas, em entrevista à agência Lusa, sobre este documento.

A coordenadora bloquista avisa que "sem um programa para o emprego não haverá um orçamento de esquerda", colocando o tema no centro das negociações e remetendo para o Governo a criação de condições para a viabilização do OE2022.

Na mesma entrevista, a líder recandidata vê com normalidade as oposições internas no partido, não teme que esta reunião magna seja mais difícil do que as outras e considera que preocupante seriam unanimismos.

Também em entrevista à Lusa, a moção E, crítica da atual liderança bloquista, apresenta-se contra uma política do BE que, consideram, "está cansada", e com o objetivo de acabar com uma "excessiva proximidade ao PS", antecipando que a direção vai "deixar de ser monolítica" ao mudar a correlação de forças.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+