Tempo
|
A+ / A-

PSD só apoiará "medida pontual" sobre enriquecimento ilícito que seja "eficaz e constitucional"

20 abr, 2021 - 13:53

Direção do partido liderado por Rui Rio faz questão de distinguir a crise da justiça do combate à corrupção.

A+ / A-

O PSD só apoiará uma "medida pontual" de criminalização do enriquecimento ilícito se esta for "eficaz e constitucional", fazendo questão de distinguir a crise da justiça do combate à corrupção.

Questionada pela Lusa sobre o apelo feito na segunda-feira pelo Presidente da República para que se encontre o meio adequado para criminalizar o enriquecimento injustificado, fonte da direção do PSD começou por separar os vários planos.

"Antes de mais é preciso esclarecer: Uma coisa é a crise da Justiça, outra é o combate à corrupção e outra ainda - pontual - é a criminalização do enriquecimento ilícito", refere a mesma fonte, numa resposta enviada por escrito.

A direção social-democrata defende que "o PSD foi o principal partido, senão o único, a promover uma profunda reforma da Justiça em Portugal, em 2018".

"Assim, o PSD entende que o Sistema de Justiça não se tem mostrado capaz de combater a corrupção, pelo que serão necessárias alterações nesse sentido", acrescenta a mesma fonte.

Em concreto, e "relativamente à medida pontual da criminalização do enriquecimento ilícito, o PSD apoiará sempre qualquer norma nesse sentido, desde que seja eficaz e Constitucional". .

"A não ser assim, não o poderá fazer", garante o partido.

Na segunda-feira, o Presidente da República pediu que se encontre o meio adequado para criminalizar o enriquecimento injustificado, defendendo que este passo já devia ter sido dado e que "há vários caminhos" para o fazer respeitando a Constituição.

"Eu para aí há dez anos, ainda não era Presidente, defendia que era preciso prever um crime, chamasse-se ele como se chamasse, que, respeitando a Constituição, punisse aquilo que é um enriquecimento nomeadamente de titulares dos poderes públicos que não tem justificação naquilo que é a remuneração do exercício de funções públicas", referiu Marcelo Rebelo de Sousa.

Segundo o chefe de Estado, "há vários caminhos e há várias propostas" para fazer isso respeitando a Constituição da República Portuguesa: "Procurem-se esses caminhos para que se não perca uma boa ideia por causa da forma da concretização", apelou.

Saiba Mais
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+