Tempo
|
A+ / A-

​Crise na aviação

PCP e Bloco recusam apoios para a ANA e querem nacionalização da Groundforce

18 mar, 2021 - 13:31 • Susana Madureira Martins

Jerónimo de Sousa e Catarina Martins associaram-se à manifestação dos trabalhadores da empresa de gestão e bagagens e passageiros.

A+ / A-

Nem pensar – é, em resumo, como o PCP e o Bloco de Esquerda reagem ao anúncio de que a ANA – Aeroportos de Portugal vai pedir ajudas de Estado para compensar as perdas causadas pela pandemia de Covid-19.

“Acho extraordinário que José Luís Arnaut sequer fale”, afirmou Catarina Martins, coordenadora do Bloco, em resposta à entrevista do presidente não executivo da ANA à Renascença e ao jornal "Público" em que anuncia que a empresa irá precisar de recorrer a apoios publico.

“Ele esteve ligado á privatização do setor da aviação em Portugal. Aliás em claro conflito de interesses e portas giratórias saltou de governos de negociação e privatizações para a administração de empresas que privatizou. Isso caberá à justiça investigar a forma como todos estes negócios foram feitos”, lembrou Catarina Martins, à margem de uma manifestação de trabalhadores da Groundforce no aeroporto de Lisboa.

“Basta o que basta. Mesmo em quadros de dificuldades, a ANA andou sempre com os seus dividendos pouco preocupada com a economia portuguesa. A ANA não precisa nada disso, tem tido tanto lucro aqui no nosso país”, respondeu, por seu lado, o secretário-geral do PCP Jerónimo de Sousa

“É preciso que o Estado assuma as suas responsabilidades para com a economia portuguesa, para com os trabalhadores e os seus direitos”, defende o líder comunista.

Quanto à situação da Groundforce, ambos partidos defendem a nacionalização da empresa. “A ausência de respostas e soluções duradouras falam pro si sobre a incapacidade de dar” resposta por parte do acionista privado, afirmou Jerónimo de Sousa.

“Esta é uma empresa lucrativa que tem vindo a ser descapitalizada pelo acionista privado, deve também existir uma investigação sobre essa matéria”, afirma Catarina Martins, para quem é preciso garantir de imediato duas coisas: “Salários para os trabalhadores que estão na linha da frente e protegem o pais todos os dias e que essa solução seja um passo robusto para haver controlo da Groundforce e proteger o conhecimento que temos num setor tão estratégico para o país.”

Para a líder do Bloco, a privatização da Groundforce “foi um erro” que é preciso corrigir. “É uma empresa lucrativa, todos os anos esta empresa podia estar a dar dividendos para o Estado”, diz a líder do Bloco, defendendo “uma solução publica que deve passar também por assacar todas as responsabilidades ao acionista privado”.

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+