Tempo
|
A+ / A-

Covid-19

PCP quer isentar alunos do Superior de pagarem propinas

18 fev, 2021 - 12:36 • Lusa

A proposta é feita num projeto de resolução para o Parlamento recomendar ao Governo que adote estas medidas e que, ao mesmo tempo, compense as instituições de ensino "pelos valores não cobrados" aos alunos.

A+ / A-

Veja também:


O PCP propôs esta quinta-feira que os estudantes do ensino superior público não sejam obrigados a pagar qualquer valor de propinas, taxas e emolumentos enquanto vigorarem as medidas excecionais para conter a epidemia de Covid-19.

A proposta é feita num projeto de resolução, que não é uma lei, para o parlamento recomendar ao Governo que adote estas medidas e que, ao mesmo tempo, compense as instituições de ensino superior "pelos valores não cobrados" aos alunos.
De acordo com o texto do projeto, os comunistas querem que os estudantes que adiram a esta medida não sejam prejudicados "na atribuição de apoios diretos e indiretos da Ação Social Escolar".

O PCP "defende, desde sempre, a gratuitidade do Ensino Superior e, neste momento, considera que é ainda mais urgente e fundamental retirar todas as barreiras económicas ao acesso e frequência" de cursos superiores.

É uma forma "não só de cumprir os direitos dos estudantes, que há muito já deviam ser cumpridos, mas também como meio de prevenir um forte abandono escolar e combater o insucesso escolar em resultado do surto epidémico", lê-se no texto.

A pandemia de Covid-19 provocou, pelo menos, 2.419.730 mortos no mundo, resultantes de mais de 109,4 milhões de casos de infeção, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

Em Portugal, morreram 15.522 pessoas dos 788.561 casos de infeção confirmados, de acordo com o último boletim da Direção-Geral da Saúde.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+