Tempo
|
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
A+ / A-

Coronavírus

Costa sobre alívio no Natal. "​Hoje, nunca nenhum de nós teria defendido aquelas medidas​"

19 jan, 2021 - 15:59

Primeiro-ministro respondia ao deputado do CDS Telmo Correia.

A+ / A-
Costa sobre alívio no Natal. "Hoje, nunca nenhum de nós teria defendido aquelas medidas​"
Costa sobre alívio no Natal. "Hoje, nunca nenhum de nós teria defendido aquelas medidas​"

Veja também:


O primeiro-ministro, António Costa, reconhece que se a realidade da pandemia em dezembro fosse a atual o alívio de medidas permitido na época das festas de Natal não teria acontecido.

"Hoje, nunca nenhum de nós teria defendido aquelas medidas", disse o chefe do Governo na Assembleia da República, em resposta ao deputado do CDS Telmo Correia.

Neste debate, o deputado do CDS defendeu o encerramento imediato das escolas, sugerindo por exemplo o prolongamento do ano letivo, como medida de compensação.

O primeiro-ministro já havia afirmado que admitia fechar as escolas "se a estirpe inglesa da Covid-19 for predominante" no país.

Portugal atinge esta terça-feira um novo máximo diário de 218 mortos por Covid-19 desde o início da pandemia, avança o boletim epidemiológico da Direção-Geral da Saúde (DGS).

É a primeira vez que é ultrapassada a barreira das 200 vítimas mortais no espaço de um dia em Portugal.

Nas últimas 24 horas foram confirmados 10.445 novos casos de Covid-19, depois de uma descida verificada na segunda-feira.

Nos hospitais portugueses estão internados mais 126 doentes com Covid-19, num total de 5.291 pessoas. Em unidades de cuidados intensivos há 670 doentes, mais seis em relação ao balanço anterior.


Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Americo Anastacio
    19 jan, 2021 Leiria 22:31
    I N C O M P E T E N T E Não chegaram as mortes de Pedrogão ?????? Insensivel.........
  • Maria Oliveira
    19 jan, 2021 Lisboa 22:22
    É vergonhoso o comportamento deste primeiro-ministro. Foi ele e o seu (des)Governo que assim decidiram. Apenas há que assumir responsabilidades. Morreram pessoas por negligência grosseira de quem assim decidiu.
  • Cidadao
    19 jan, 2021 Lisboa 20:16
    Parece a conversa do Pedro Passos Coelho e da Troika quando, após cortarem salários, Pensões, aumentarem impostos e reduzirem apoios sociais, face à onda de falências e por arrastamento a brutal subida de desemprego que essa política trouxe, diziam o mais cândidamente possível: "... não estávamos nada à espera desta subida tão dramática de desemprego...". Tal como nessa altura, não é preciso ser Catedrático, para perceber as consequências da política Seguida. Neste caso, de que num povo cansado de restrições, abrirem-lhe a porta da gaiola numa época de Festas, só podia dar para ver o pessoal a "dançar como se não houvesse amanhã". O governo e António costa, sabiam muito bem as consequências, mas preferiram salvar a Economia, que a Saúde. Agora, fazem-se de desentendidos, e surpreendidos como se não fosse nada com eles ...

Destaques V+