Tempo
|
A+ / A-

PSD

Rio “muito preocupado” com falta de "controlo capaz" nas fronteiras

21 dez, 2020 - 19:24 • Lusa

No final de uma reunião com representantes sindicais do SEF, o líder do PSD afirmou que “não há um controlo capaz das fronteiras portuguesas” e alertou para situações em que cidadãos obrigados a ter um teste à Covid-19 “entram sem o ter”.

A+ / A-

O presidente do PSD, Rui Rio, afirmou esta segunda-feira que “não há um controlo capaz das fronteiras portuguesas” e alertou para situações em que cidadãos obrigados a ter um teste à Covid-19 “entram sem o ter”.

No final de uma reunião com representantes sindicais e laborais do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF), Rui Rio confessou ter ficado “muito preocupado” com os relatos de situações que lhe foram feitos e que disse não querer reproduzir na totalidade em público.

“Não há um controlo capaz das fronteiras portuguesas, há muita deficiência na forma como se estão a controlar as fronteiras portuguesas. O exemplo que estou a dar é que, inclusive, cidadãos que não trazem o teste feito e têm de o fazer aqui, muitos entram sem o fazer”, alertou.

“Eu devo dizer que fiquei muito preocupado com a fiscalização que se está ou não se está a fazer nas fronteiras portuguesas”, acrescentou.

Questionado sobre as restrições impostas pelo Governo a cidadãos provenientes do Reino Unido devido a uma nova estirpe da Covid-19, Rio disse concordar com as mesmas, que apenas permitem a entrada de cidadãos portugueses e residentes em território nacional e mediante a realização de um teste.

“Concordo como é lógico. Se me pergunta se temo, face ao que ouvi aqui, que não seja fiscalizado? Temer posso temer, mas não há de ser uma quantidade assim tão grande que não permita uma fiscalização adequada”, afirmou.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+