Tempo
|
A+ / A-

​TAP

Pedro Nuno Santos admite divergência com Costa, mas “hierarquia no Governo é clara”

11 dez, 2020 - 15:23 • Susana Madureira Martins

Ministro queria levar o plano de reestruturação da TAP a votos no Parlamento, mas António Costa não deixou.

A+ / A-

O ministro das Infraestruturas, Pedro Nuno Santos, reconhece divergências com o primeiro-ministro sobre a gestão política da reestruturação da TAP, mas considera que isso não o faz perder a confiança política. E acata a decisão de António Costa em não levar o plano a votos no Parlamento.

“Estávamos mal, muito mal se, por cada vez que um primeiro-ministro tivesse uma opinião diferente da nossa, nós sentíssemos que perdíamos a confiança política”, respondeu o ministro a uma pergunta da Renascença na conferência de imprensa em que apresentou o plano de reestruturação para a companhia aérea.

Na quinta-feira, em Bruxelas, o primeiro-ministro considerou que seria um erro levar o assunto a votos na Assembleia da República, desautorizando o ministro, que se sente derrotado e isolado.


Agora, Pedro Nuno reconhece a divergência, mas também assume que quem manda é o primeiro-ministro.

“Num Governo saudável as opiniões são muitas vezes diferentes, embora exista uma hierarquia e essa hierarquia é clara, mas isso não invalida que os ministros possam, em algumas matérias, nomeadamente naquelas em que têm responsabilidades diretas, possam ter uma perspetiva diferente. temos é que viver e conviver com mais naturalidade com isso do que nós convivemos”, disse Pedro Nuno Santos, na conferência de imprensa em que apresentou o plano de reestruturação para a TAP.

“Já era tempo para mudar a forma como olhamos para a política e conseguirmos conviver melhor com aquilo que é diferente”, reforçou o ministro, que garante continuar a desempenhar funções com muito entusiasmo.

“Tenho responsabilidades, umas mais difíceis do que outras, há processos mais complicados do que outros no nosso trabalho e no meu ministério, mas faço todos eles com muito gosto e entusiasmo”, respondeu Pedro Nuno Santos, depois de ter sido questionado sobre a sua disponibilidade para levar o plano de reestruturação até ao fim da legislatura.

Saiba Mais
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • João José Silva Mour
    11 dez, 2020 Esp.Stº das Touregas 19:39
    Gostaria de saber quando um jornalista com coragem pergunta ao ministro nesta restruturação da (TAP) quantos administradores vão ser despedidos e dos que ficarem se vão também ficar com o ordenado reduzido. porque não mandam todos os trabalhadores para casa e ficam só os administradores, gostaria de ver se a (TAP), funcionava. Sem outro assunto. João Moura

Destaques V+