Tempo
|
A+ / A-

Benfica

"Fica mal ao primeiro-ministro" ter sido Vieira a retirá-lo da comissão de honra

17 set, 2020 - 16:33 • Henrique Cunha

Presidente da associação Transparência e Integridade diz que caso demonstra que há "um problema estrutural, sistémico, de promiscuidade entre o futebol e a política", envolvendo "vários clubes" que não apenas o Benfica.

A+ / A-

"A questão que era pessoal para António Costa afinal é política para Luís Filipe Vieira." É desta forma que o presidente da associação cívica Transparência e Integridade reage ao facto de ter sido o presidente do Benfica a decidir, esta quinta-feira, afastar o primeiro-ministro e outros titulares de cargos públicos da sua comissão de honra.

Em causa está a recandidatura de Luís Filipe Vieira à presidência do Benfica. "Fica mal ao primeiro-ministro" ser Vieira a dar este passo, defende João Paulo Batalha em entrevista à Renascença.

António Costa sempre remeteu a questão do apoio ao presidente do clube encarnado para a esfera pessoal, mas na opinião de João Paulo Batalha, a decisão de Vieira prova que "eventualmente a questão era política desde o início".

Para o presidente da Transparência e Integridade, "continua a faltar aqui uma explicação do primeiro-ministro sobre se está satisfeito com esta decisão, se continua a ser uma questão pessoal, ou se é uma questão política como parece ser para o presidente do Benfica".

"Não é à toa que Luís Filipe Vieira convida responsáveis políticos para estas comissões de honra e responsáveis políticos com quem há interesse do Benfica em manter boas relações, nomeadamente os presidentes das câmaras onde o Benfica tem o estádio, a academia, etc", refere João Paulo Batalha.

Fernando Medina, o atual autarca de Lisboa, também foi dispensado da comissão de honra do presidente do Benfica esta tarde.

"Estamos perante uma questão política. Estas comissões de honra são, na verdade, listas de lobistas em favor do clube e, portanto, interessa ao clube ter lobistas com várias redes de contactos e capacidade de influência e vai recrutá-los aos vários partidos", acusa o presidente da Transparência e Integridade, assegurando que "isto aconteve no Benfica como acontece nos outros clubes, na proporção da capacidade tentacular de cada um".

Politicamente, adianta, "todos os responsáveis partidários sabem que estas questões são transversais e portanto era difícil fazerem-se de surpreendidos ou ofendidos. Isto mostra que nós temos um problema estrutural, sistémico, de promiscuidade entre o futebol e a política com vários clubes", conclui.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • 17 set, 2020 21:33
    " INTERESSE DO CLUBE ou PESSOAL "? Já agora aproveito para perguntar ao Senhor Deputado que ONTEM na SIC-NOTICIAS defendeu, tanta COISA, porque razão a ASSEMBLEIA da REPÚBLICA, não organiza ALMOÇOS ou JANTARES com Clubes de Futebol do nosso País, ALEATORIAMENTE?
  • Antonio Fernandes
    17 set, 2020 ALVERCA DO RIBATEJO 17:02
    Que espera o povo português do habilidoso?
  • Gabriel Costa
    17 set, 2020 16:57
    Discordo. Entre a politica e futebol há apenas uma troca de favores. Hoje dou-te o meu apoio amanhã dás-me tu. Isto só funciona se não ambas as partes estiverem imaculadas.

Destaques V+