Tempo
|
A+ / A-

Ventura convida Miguel Albuquerque para a sua candidatura

19 ago, 2020 - 12:18 • Lusa

O deputado único do partido populista de direita, contactado pela Lusa, escusou-se a "confirmar ou desmentir convites feitos nesta altura", pois "ainda está a ser definida a estrutura completa da candidatura".

A+ / A-

O líder demissionário e recandidato do Chega convidou esta quarta-feira o chefe do Governo regional da Madeira, o social-democrata Miguel Albuquerque, para o apoiar formalmente e integrar a sua candidatura à Presidência da República, em janeiro de 2021.

"Venho por este meio convidá-lo a ser um dos pilares da minha candidatura como Máximo Coordenador e Representante Político da mesma. Atentas as últimas sondagens, não há dúvida de que a leve esperança de uma não recondução de Marcelo Rebelo de Sousa só pode ser concretizada pela minha candidatura. É a esse esforço que o convido a juntar-se, por Portugal e pelo desenvolvimento efetivo da Região Autónoma da Madeira", lê-se na carta de André Ventura, a que a agência Lusa teve acesso.

O deputado único do partido populista de direita, contactado pela Lusa, escusou-se a "confirmar ou desmentir convites feitos nesta altura", pois "ainda está a ser definida a estrutura completa da candidatura".

"Sou candidato a impedir a renovação, por mais cinco anos, da tragédia que tem sido Marcelo Rebelo de Sousa para o país e, em especial, para a Madeira. Marcelo esteve sempre contra a região e ao lado do Governo da República, que não tem outro interesse senão transformar a Madeira e o Porto Santo em feudos socialistas, como já acontece em boa parte das regiões e distritos do país", lê-se ainda na missiva.

Miguel Albuquerque admitira em maio avançar ele próprio com uma candidatura autónoma ao Palácio de Belém, tecendo críticas ao "unanimismo", ao "circo que está montado" e ao "namoro" entre o primeiro-ministro, António Costa, e o chefe de Estado.

Já no início de agosto, o líder do PSD-Madeira defendeu que o seu partido deve dialogar com várias forças políticas, incluindo o Chega, após o presidente do partido, Rui Rio, ter admitido conversar com aquele partido, caso Ventura adotasse um discurso mais moderado.

"O PSD deve é fazer aquilo que Sá Carneiro fez em 1979. Também fez a AD [Aliança Democrática] numa altura em que se dizia que o CDS era fascista", afirmou Albuquerque, referindo-se a uma eventual federação de centro-direita com o CDS-PP, Chega e Iniciativa Liberal, para desalojar a esquerda do poder.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • 19 ago, 2020 15:23
    Candidato populista porque? O marcelo nao e populista?
  • João Lopes
    19 ago, 2020 13:07
    A insistência na referência: "O deputado único do partido populista de direita" denota da parte do jornalista da RR um complexo de inferioridade. Não informa com objetividade, mas tenta condicionar os leitores com chavões, como se eles fossem menores de idade e destituídos de pensamento próprio!...
  • Anónimo
    19 ago, 2020 12:39
    Não sendo fã do PSD, a verdade é que o PSD é a segunda maior força política de Portugal e a maior força política da Madeira. Ventura, conhecido por ter ficado em 3º lugar numas autárquicas, inclusive atrás de um partido como o PCP, que se reduza à sua insignificância.

Destaques V+