Tempo
|
A+ / A-

Racismo

Centenas de pessoas desfilam em Lisboa na manifestação do Chega

27 jun, 2020 - 16:21 • Lusa

André Ventura surgiu ao lado de Maria Vieira a encabeçar a manifestação, atrás de uma faixa onde se lia “Portugal não é racista”.

A+ / A-

Veja também:


Centenas de pessoas participam este sábado em Lisboa numa manifestação promovida pelo Chega para mostrar que não há racismo em Portugal e também para apoiar as forças de segurança.

O desfile, que se iniciou por volta das 14h30, no Marquês de Pombal, começou com um louvor do presidente do Chega, André Ventura, às polícias portuguesas em que destacou "Polícia bom é Polícia vivo".

A abrir a manifestação, que percorreu a Avenida da Liberdade até aos Restauradores, esteve a faixa "Portugal não é racista" e atrás dela surge André Ventura ao lado da atriz Maria Vieira.

Sob o olhar atento de alguns polícias, os manifestantes empunham bandeiras de Portugal e do partido Chega e entre as palavras de ordem destaca-se "Políticos Elitistas Portugal Não É Racista" e "Chega", sendo "Portugal" a palavra que mais se ouve entre os manifestantes.

Os manifestantes mantêm o distanciamento social de segurança devido à pandemia de Covid-19.

A manifestação foi convocada com o objetivo de contrariar a ideia de que “Portugal é um país racista e de que existe na sociedade um problema de racismo estrutural”.

“Nós, portugueses, orgulhosos do nosso país e da nossa história – com todos os seus defeitos e qualidades; nós, portugueses, que não somos racistas e que defendemos a sociedade multicultural com todos os seus direitos e deveres, temos de sair à rua e mostrar que recusamos todos os epítetos pejorativos que nos querem colar”, lê-se numa carta enviada por André Ventura, líder do Chega, a Fernando Medina, presidente da Câmara de Lisboa, e Eduardo Cabrita, ministro da Administração Interna, em que era comunicada a intenção de realizar a manifestação.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+