Tempo
|
A+ / A-

Novo Banco. João Leão "estupefacto" promete auditoria pronta em julho

17 jun, 2020 - 15:58 • Cristina Nascimento

Ministro das Finanças foi à Assembleia da República para o debate sobre o Orçamento Suplementar.

A+ / A-

O novo ministro das Finanças, João Leão, revelou esta quarta-feira que a auditoria ao Novo Banco vai estar pronta em julho. A data foi avançada no Parlamento, durante o debate sobre o Orçamento Suplementar.

Depois de uma intervenção inicial em que João Leão recuperou o essencial já conhecido do documento, o deputado do PSD Duarte Pacheco fez a primeira ronda de perguntas.

Duarte Pacheco aludiu "ao elefante no meio da sala que é o Novo Banco" para perguntar a Leão se ficou ou não estupefacto com as declarações do presidente da instituição bancária sobre a necessidade de nova injeção de capital.

"Sim, estamos estupefactos", disse o governante, acrescentando que as declarações "foram extemporâneas".

João Leão reforçou ainda que "não está prevista nenhuma nova injeção do Novo Banco".

O sucessor de Mário CEnteno respondeu, por sete vezes, a perguntas dos deputados e afirmou, por sete vezes, que este ano não está planeada qualquer injeção de verbas no Novo Banco.

João Leão respondeu quase sempre da mesma maneira: “Não está previsto neste Orçamento Suplementar uma nova injeção no Novo Banco”. Nem para o Novo Banco nem para o Montepio, afirmou, em resposta a André Ventura, que lhe perguntou se podia garantir que podia garantir que não iria ser investido “nem mais um cêntimo” no Novo Banco.

O ministro das Finanças, em resposta à pergunta do Bloco de Esquerda sobre o mesmo assunto, revelou que a auditoria deve estar pronta em julho e reafirmou que não haverá nova injeção de capital até serem conhecidos os resultados da auditoria.

O ministro das Finanças repetiu ainda a recomendação aos responsáveis do Novo Banco que devem "concentrar-se na gestão o mais eficiente possível do seu banco".

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+