Tempo
|
A+ / A-

​Caso Silvano. Líder do PSD "desconfortável" com demora na justiça

26 mai, 2020 - 18:59 • Redação

Ano e meio para desenvolvimentos no caso das falsas presenças no Parlamento "é uma bagatela" em comparação com o processo do BES, afirma o líder do PSD.

A+ / A-

O presidente do PSD, Rui Rio, mostra-se “confortável” com o levantamento da imunidade parlamentar do deputado José Silvano, mas volta a arrasar a demora da Justiça, por exemplo, no caso BES.

A comissão de Transparência da Assembleia da República aprovou esta terça-feira o levantamento da imunidade parlamentar a José Silvano. Fontes parlamentares disseram à agência Lusa que o também vice-presidente do PSD será constituído arguido no processo das falsas presenças de deputados no Parlamento.

Questionado pelos jornalistas no final de uma audiência com o primeiro-ministro, Rui Rio começou por dizer que está confortável com a decisão da comissão de Transparência, “mal era se não deixasse um deputado depor no Ministério Público”.

O líder do PSD confessa que se sente desconfortável, mas em relação ao caso BES, em que se passaram seis anos e “não há julgamento, acusação e muito menos punição. E eu acho seis anos muito”.

Rui Rio considera que o caso das falsas presenças no Parlamento é uma “bagatela”, ainda assim foi preciso ano e meio para a imunidade de José Silvano ser levantada e o deputado poder explicar-se.

“Neste caso que estamos a falar, por uma bagatela de nada, demorou um ano e meio. Se para uma bagatela destas para mandar a Assembleia da República um pedido de levantamento da imunidade parlamentar para o deputado se poder explicar, demora um ano e meio, afinal seis anos para resolver o problema dos BES já é pouco. Com a justiça a funcionar assim é que eu não estou nada confortável”, declarou o presidente do PSD.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+