Tempo
|
A+ / A-

Novo governo é “um susto”, critica Luís Montenegro

26 out, 2019 - 16:43 • Inês Rocha

“Tem de acabar o tempo de o PSD andar de cócoras perante o PS”, atira Montenegro. “Comigo esse tempo vai acabar”.

A+ / A-

O novo Governo, que tomou posse este sábado é, para Luís Montenegro, “um susto”, com “governantes a mais, Estado a mais, PS a mais”.

Num comunicado enviado às redações, o candidato à liderança do PSD descreve o novo executivo como “um governo do aparelho partidário socialista e do aparelho socialista na administração pública”, com “sociedade civil a menos”, “independentes a menos” e “experiência empresarial a menos”.

Sobre o discurso de posse de António Costa, Luís Montenegro classifica-o de “barbaridade de auto-elogios”. “Parece que está tudo bem! É a fantasia socialista em todo o seu esplendor”, escreve.

O social-democrata questiona ainda se o primeiro-ministro “não percebe o caos que reina, por exemplo, no setor da saúde”.

Acerca do esboço de Programa de Governo anunciado por António Costa, o candidato à liderança do PSD diz que "é mais do mesmo" e identifica "várias lacunas”, ao nível da aposta no crescimento económico, dos impostos e do investimento público.

“Não fixa um objetivo de crescimento económico ao nível dos nossos principais competidores europeus, como todos os países de leste. Vamos continuar a ter 20 países em 28 a crescer mais do que nós?”, questiona Montenegro.

“Outro exemplo é a falta de perspectiva de baixa de impostos, uma medida essencial de competitividade fiscal e atração de investimento. Ou a manutenção de um fraquíssimo investimento público, cuja maior omissão se faz sentir na saúde, que devia ser a prioridade das prioridades para o Governo”, considera o social-democrata.

Luís Montenegro afirma que o país precisa de uma oposição firme e uma alternativa a sério. Mas lembra que esta alternativa “não se faz dando a mão ao PS”.

“Tem de acabar o tempo de o PSD andar de cócoras perante o PS”, atira Montenegro. “Comigo esse tempo vai acabar”.

O XXII Governo tomou posse este sábado, no Palácio Nacional da Ajuda. Com 20 ministros e 50 secretários de Estado, é o maior governo desde 1976.

No discurso de posse, António Costa elencou quatro desafios e prometeu cumprir a legislatura de quatro anos.

Após tomar posse, Costa promete salário mínimo de 750 euros para 2023
Após tomar posse, Costa promete salário mínimo de 750 euros para 2023
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • José Joaquim Cruz Pinto
    26 out, 2019 Ílhavo 19:46
    Um SUSTO apanharíamos todos se a mesma turma de entre 2011 e 2015 (que ele tão bem representou e representa) alguma vez voltasse a governar o País.

Destaques V+