Tempo
|
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
A+ / A-

​Costa diz que cumpriu com os professores

26 nov, 2018 - 18:19

Primeiro-ministro defende que Governo prometeu e cumpriu descongelamento das carreiras na função pública.

A+ / A-

O primeiro-ministro, António Costa, afirmou esta segunda-feira, em Braga, que o Governo prometeu e cumpriu o descongelamento das carreiras na função pública, incluindo a dos professores.

"Acabar com o congelamento era o prometido e foi o que fizemos", referiu, num debate com professores e alunos da Universidade do Minho que o Governo organizou para assinalar os três anos.

Em relação aos professores, disse que 32 mil já podem progredir na carreira e que outros 12 mil o poderão igualmente fazê-lo até ao final deste mês. Outros 19 mil terão essa oportunidade no próximo ano.

Em relação à contagem do tempo de serviço dos professores, o primeiro-ministro destacou a "total intransigência" dos sindicatos, que não abdicavam dos nove anos, quatro meses e dois dias.

O Governo contrapôs com dois anos, oito meses e 18 dias e vai mesmo avançar com esta medida, "mesmo sem o acordo dos sindicatos".

Para o primeiro-ministro, o Governo trata, assim, os professores "de forma exatamente igualitária com as outras carreiras".

António Costa falava horas antes de os deputados do PSD, CDS-PP, BE e PCP terem votado a favor das propostas do CDS e do PSD que preveem o regresso ao diálogo entre Governo e professores.

"Faltam meios" para combate à corrupção

Neste balanço de três anos de Governo, o primeiro-ministro, António Costa afirmou que "o combate à corrupção é uma prioridade central de qualquer democracia", mas admitiu que "faltam meios" em Portugal para esse combate.

"O que falta em Portugal não é mais legislação. Faltam meios e falta uma consciência cada vez mais alargada [para a corrupção]", disse António Costa.

No entanto, ressalvou que as autoridades policiais e judiciárias "dispõem hoje de meios de que não dispunham" antes para o combate à corrupção e aludiu a "um conjunto de instrumentos" ao dispor das autoridades, nomeadamente o recurso a agentes infiltrados.

O primeiro-ministro adiantou ainda que vai ocorrer "um reforço de meios" da Polícia Judiciária, para a dotar "de melhores condições para esse combate fundamental".

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • 26 nov, 2018 20:29
    Senhor Primeiro Ministro veja lá se os seus " ALUNOS " aprendem a decorar melhor as lições. Pelo que vejo são muito MAUS a entenderem-se, pois " cada CAVADELA sua minhoca ", ASSIM NÃO. Mas fique descansado, pois eu não aceito ser Seu conselheiro. Até breve.

Destaques V+