Tempo
|
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
A+ / A-

António Costa sobre os professores. Coligação contra o Governo "não é sério"

22 nov, 2018 - 00:27

"Pode dizer-se muita coisa deste Governo, mas o que não se pode dizer, seguramente, é que tratou mal a administração pública", afirma o primeiro-ministro em entrevista à agência Lusa.

A+ / A-

O primeiro-ministro, António Costa, considera que "não é sério" um entendimento PSD/CDS-PP com Bloco e PCP para contabilizar todo o tempo de serviço congelado aos professores e afirma compreender a ansiedade dos enfermeiros após "anos de sede".

Palavras proferidas por António Costa em entrevista à agência Lusa sobre os três primeiros anos do seu Governo, que se completam na próxima segunda-feira, depois de confrontado com a contestação dos professores e dos enfermeiros à política seguida pelo executivo minoritário socialista.

Interrogado sobre um eventual acordo parlamentar envolvendo PSD, CDS-PP, Bloco de Esquerda, PCP e PEV para se contabilizar todo o tempo de serviço antes congelado aos professores, o primeiro-ministro declara que "esse entendimento não é sério".

"PSD e CDS votaram, ano após ano, o congelamento da carreira dos professores, dizendo expressamente que esses anos de congelamento não contariam como anos de serviço, enquanto este Governo comprometeu-se a descongelar, e descongelou. Já foram neste momento descongeladas as carreiras de 32 mil professores, até ao final deste mês mais 12 mil professores verão a sua carreira descongelada e no próximo ano serão mais 19 mil. Até 2020, não haverá nenhum professor que não tenha tido uma progressão na sua carreira", defende.

Em suma, de acordo com o primeiro-ministro, no caso da carreira dos professores, "onde PSD e CDS congelaram", o seu Governo "descongelou".

"Descongelar significa que, onde o cronómetro tinha parado, foi reposto a funcionar. Foi isto que nos tínhamos comprometido a fazer, e fizemos", acentua.

No que respeita ao processo negocial entre Governo e sindicatos, o primeiro-ministro queixa-se que o seu Governo encontrou sempre "uma barreira inamovível" em torno da exigência dos nove anos, quatro meses e dois dias.

"Perante a absoluta intransigência sindical, nós passámos a lei aquilo que era a nossa proposta de contabilizar dois anos, nove meses e 18 dias. Não é um número que tenha caído do ar, tem um critério. Tal com aconteceu com os outros funcionários que não tinham sido sujeitos a avaliação, em que foram tidos em conta 70% dos respetivos módulos de progressão, o que fizemos no caso dos professores foi aplicar a mesma regra. E como os módulos de progressão dos professores são, em regra, quatro anos, aplicámos os 70%. É isso que dá os dois anos, nove meses e 18 dias", justifica.

Se fosse contabilizado todo o tempo de carreira antes congelado aos professores, António Costa estima que o impacto global financeiro seria na ordem dos 600 milhões de euros.

"Esses 600 milhões de euros não existem no Orçamento. Nem vi ninguém até agora dizer onde é que cortamos para compensar esses 600 milhões de euros, ou onde é que vão buscar receita para pagar esses 600 milhões de euros. Portanto, propor é fácil. Agora, o que é preciso é resolver", alega.

Em todo o caso, o líder do executivo adverte que aquilo que seria pior para os professores era o seu Governo "não ter transformado em lei aquilo que foi a proposta negocial apresentada e recusada pelos sindicatos".

"Governo não tratou mal a administração pública"

"Pode dizer-se muita coisa deste Governo, mas o que não se pode dizer, seguramente, é que tratou mal a administração pública. Relativamente aos professores, repusemos a recontagem, fizemos o descongelamento, o cronómetro voltou a contar. Agora não nos peçam para refazer todos os males da história, porque nós não podemos reconstruir a história", argumenta.

Questionado se poderá haver recurso do Governo à lei travão caso o parlamento, por conjugação de votos à direita e à esquerda do PS, aprove um diploma com forte impacto orçamental, o primeiro-ministro responde: "Não tenho de [a] usar, a 'lei travão' está na Constituição".

"O Governo aprovou um decreto-lei em Conselho de Ministros, esse decreto está em audição estatutária às regiões autónomas, depois terá de ser apreciado pelo senhor Presidente da República, que decidirá se promulga o diploma, se veta o diploma, ou se suscita a inconstitucionalidade do diploma. E não vou estar aqui a antecipar as decisões do senhor Presidente da República, cujo exercício de competências nós respeitamos escrupulosamente", salienta o primeiro-ministro.

Interrogado sobre a contestação generalizada no setor da saúde e o facto de estar prevista para breve uma greve dos enfermeiros, António Costa começou por apontar que o seu Governo assegurou aos enfermeiros "a redução do horário para as 35 horas".

"Para os enfermeiros com contrato individual de trabalho que já tinham sido contratados com 40 horas, alargámos também o horário das 35 horas. Repusemos por inteiro o pagamento das horas de qualidade e do trabalho extraordinário. Estamos a pagar um subsídio aos enfermeiros especialistas. Portanto, temos vindo a procurar responder às necessidades", sustenta.

No entanto, segundo o primeiro-ministro, os diferentes profissionais "têm de compreender que o sentido da ação deste Governo foi, por um lado, repor aquilo que tinha sido cortado, assegurar as melhorias possíveis, mas sem comprometer um objetivo fundamental que é manter contas certas".

"Isso é essencial para manter a credibilidade externa do país e para que o país continue a poupar 1400 milhões de euros por ano no serviço da dívida. Temos de ir prosseguindo essa trajetória, mas sem nunca darmos um passo maior do que a perna. Porque há algo que nem os portugueses nem nenhum desses profissionais nos perdoaria é se o país voltasse a ter de cortar aquilo que agora se repôs", avisa.

Ainda sobre a contestação dos profissionais de saúde, António Costa cita a letra de uma canção de Sérgio Godinho: 'a sede de uma espera só se estanca na torrente'.

"Acho que o país vive um bocado essa situação. Foram muitos anos de sede e, portanto, de repente, toda a gente quer tudo e já. Compreendo a ansiedade dos diferentes profissionais, mas aquilo que me compete fazer é assegurar aquilo que é necessário para o país e para o conjunto dos portugueses, que é continuar a investir na qualidade do Serviço Nacional de Saúde (SNS), continuar a investir na qualidade do sistema educativo, continuar uma trajetória de crescimento económico, de criação de emprego e manutenção de contas certas", insistiu.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Professor ludibriado
    22 nov, 2018 ME 16:08
    Naco de aldrabão! Já era pouco de fiar no governo do Sócrates e agora tem a escola toda nas aldrabices: não há 600 Milhões - numero apresentado por ele, ninguém percebe como chegou a esse número - mas já há 4000 Milhões para Novo Banco e Companhia, ou seja para a Banca. Para esses, há sempre. A intransigência - e a chantagem - esteve sempre do lado PS, - "ou aceitam, ou não levam nada" palavras do lacaio Tiago Rodrigues, lembram-se? Sem continuar com a chantagem nas greves de avaliações e o chorrilho de medidas ilegais tomadas pelo governo para tornear a Greve, aliás já derrotadas em Tribunal, mas em que infelizmente a decisão dos tribunais veio tarde demais - não é possível anular as notas arrancadas à força bruta e repetir todo o processo. Aliás, ele gosta tanto da administração pública que recusa aumentos, reposições - a não ser nos oficiais da tropa, polícias e alguns juízes, aquelas profissões que precisa contentar para andar de costas bem guardadas - e justiça e disfarça com o paleio e a desculpa habitual de "não há dinheiro". É sintomático o número de greves em curso para se ver bem como todos gostam dele. Nem para me livrar da PAF eu votei nele, e cada dia estou mais contente em não o ter feito. Cada um votará em quem quiser, mas se minoritário já é o que é, então imaginem este tipo com Maioria Absoluta ...

Destaques V+