Tempo
|
A+ / A-

Bastonários em Belém. Sociedade civil não está preparada para se pronunciar sobre eutanásia

23 mai, 2018 - 19:47

Miguel Guimarães, que lidera a Ordem dos Médicos, diz que bastonários se estão a bater pelas “regras éticas que existem a nível nacional e internacional”.

A+ / A-

O actual e os anteriores bastonários da Ordem dos Médicos foram esta quarta-feira a Belém entregar uma carta ao Presidente da República contra a legalização da eutanásia. Consideram que a sociedade civil não está informada.

Miguel Guimarães, que lidera a Ordem na atualidade, diz que bastonários se estão a bater pelas “regras éticas que existem a nível nacional e internacional”.

“Nós defendemos em todas as circunstâncias o código deontológico da Ordem dos Médicos, as regras éticas que existem a nível nacional e internacional e que proíbem situações como a eutanásia, a distanásia e o suicídio assistido. Viemos transmitir essa posição ao Presidente da República.”

Miguel Guimarães falou em nome do grupo de bastonários, onde se incluem outros médicos como Gentil Martins, Carlos Soares Ribeiro, Germano de Sousa, José Manuel Silva e Pedro Nunes.

O actual bastonário da Ordem dos Médicos considera que os portugueses não estão informados sobre os projetos de legalização da eutanásia que vão ser debatidos no parlamento, no dia 29 deste mês.

“Se analisarmos o que aconteceu na última semana relativamente às vergonhas agressões aos jogadores de futebol na Academia de Alcochete, a verdade é que nos dias a seguir falou-se mais desta questão do que nos últimos dois anos sobre eutanásia. Tem-se falado pouco, as pessoas ainda confundem conceitos, não conseguem distinguir o que eutanásia e distanásia. Se fosse chamada a decidir sobre esta matéria a sociedade civil não estava preparada para o fazer”, defendeu Miguel Guimarães.

Leia na íntegra a declaração dos bastonários

“Eutanásia, Suicídio assistido e Distanásia.

Em defesa e proteção das pessoas, a Constituição da República Portuguesa, a Declaração Universal dos Direitos Humanos e todos os Códigos de Ética Médica afirmam claramente que, nas suas múltiplas dimensões, a vida humana é inviolável.

Em vésperas da votação na Assembleia da República da despenalização da eutanásia/morte medicamente assistida, os sucessivos bastonários da Ordem dos Médicos fazem, por unanimidade, a seguinte Declaração:

1-Eutanásia é a morte intencionalmente provocada por um problema de saúde. Não é mais do que tirar a vida, seja qual for a razão e a idade. Não é eutanásia a aplicação de medicação ministrada com a intenção de diminuir o sofrimento do doente terminal mesmo que contribua indiretamente para lhe abreviar a vida (mecanismo do duplo efeito).

2-Suicídio farmacologicamente assistido, por médico ou qualquer outra pessoa, sob qualquer argumento, mesmo o de aliviar sofrimento, é igualmente tirar a vida.

3-A Distanásia ou obstinação terapêutica, em que se prolonga a vida, sem esperança de recuperação, e o inerente sofrimento do doente e familiares, é igualmente condenada.

4-A Eutanásia, o Suicídio assistido e a Distanásia representam uma violação grave e inaceitável da Ética Médica (repetidamente condenados pela Associação Médica Mundial). O Médico que as pratique nega o essencial da sua profissão, tornando-se causa da maior insegurança nos doentes e gerador de mortes evitáveis.

5-Em nenhuma circunstância e sob nenhum pretexto, é legítimo a sociedade procurar induzir os Médicos a violar o seu Código Deontológico e o seu compromisso com a Vida e com os que sofrem.

Subscrevem por ordem alfabética:

António Gentil Martins

Carlos Soares Ribeiro

Germano de Sousa

José Manuel Silva

Miguel Guimarães

Pedro Nunes"

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • João Lopes
    24 mai, 2018 Viseu 15:26
    A eutanásia e o suicídio assistido continua a ser homicídio mesmo que a vítima o peça, tal como a escravatura é sempre um crime, mesmo que uma pessoa quisesse ser escrava! Com a legalização da eutanásia e do suicídio assistido, o Estado declararia que a vida de pessoas doentes e em sofrimento não lhe interessa, e não as protege. A eutanásia e o suicídio assistido são diferentes formas de matar. O parlamento, os tribunais, os hospitais, os médicos e enfermeiros, existem para defender a vida humana e não para matar nem serem cúmplices do crime de outros.
  • Anónimo
    24 mai, 2018 14:41
    Filipe, consulte um dicionário.
  • Anónimo
    24 mai, 2018 14:40
    Quase toda a gente que eu conheço é a favor da despenalização da eutanásia! Quase toda a gente que eu conheço quer que Portugal seja um país avançado como a Bélgica ou a Holanda! Só a igreja mesquinha e estes políticos da treta é que não estão preparados!
  • Filipe
    23 mai, 2018 évora 21:12
    Não existe eutanásia , é apenas um camuflar da realidade ! A alegada eutanásia com consentimento do interveniente , é antes um suicídio e a alegada eutanásia sem consentimento do interveniente , é antes um homicídio . Portanto , deixem de entreter o povo e trabalhem antes para retirarem os sem abrigo da rua e acabarem com as misérias escondidas em Portugal , quase de dimensão dos países de terceiro Mundo , anda é escondida .

Destaques V+