Tempo
|
A+ / A-

Núncio desconhecia transferências da Petróleos da Venezuela

17 mai, 2017 - 20:46

Antigo secretário de Estado dos Assuntos Fiscais lembra que foi o Governo PSD/CDS que impediu a saída do Panamá da lista negra dos paraísos fiscais.

A+ / A-

O ex-secretário de Estado dos Assuntos Fiscais Paulo Núncio negou esta quarta-feira, no Parlamento, ter tido conhecimento da transferência para “offshore” de dinheiro da empresa Petróleos da Venezuela (PDVSA).

De acordo o "Jornal Económico", parte “significativa” dos 7,8 mil milhões de euros que saíram do BES para o Panamá, “entre 2012 e 2014”, era dinheiro das vendas de petróleo da empresa venezuelana, de que Paulo Núncio foi advogado.

A notícia foi avançada em Março. Questionado hoje pelo PS na comissão parlamentar de Orçamento e Finanças, o ex-secretário de Estado garante que nunca teve conhecimento de quaisquer transferências.

“Não tive conhecimento de nenhuma transferência feita por esta empresa. Esta empresa foi cliente do escritório [de advogados] a que eu estive ligado até Dezembro de 2010. A partir de Dezembro de 2010, esta empresa deixou de trabalhar com o escritório de que eu fazia parte e passou a trabalhar com outro escritório.”

Paulo Núncio lembra que foi o Governo de que fez parte que impediu a saída do Panamá da lista negra dos paraísos fiscais.

“A partir do momento em que é uma medida do Governo PSD/CDS que garante que o Panamá e outros paraísos fiscais se mantêm na lista de paraísos fiscais e, por isso, o Fisco continuou a partir de 2012 a poder fiscalizar essas transferências. Se isso não tivesse acontecido, provavelmente não estaríamos aqui. Provavelmente, essas transferências, porque já não estavam sujeitas à fiscalização do Fisco, não suscitavam esta questão”, argumentou o antigo secretário de Estado.

Na comissão parlamentar de Orçamento e Finanças, o socialista Eurico Brilhante Dias perguntou se Núncio “não sabia que nenhuma das empresas que estavam na sua lista de conflitos de interesses fazia transferências ou utilizava” paraísos fiscais.

O antigo secretário de Estado respondeu dizendo que foi à comissão parlamentar “a título voluntário” para prestar esclarecimentos, mas não aceita “esse tipo de insinuações”.

Paulo Núncio está a ser ouvido sobre os dados estatísticos das transferências para “offshore” que não foram publicados entre 2011 e 2015, em que cerca de 10 mil milhões de euros ficaram sem tratamento por parte do Fisco.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • anónimo
    18 mai, 2017 portugal 13:24
    Isto só revela que o país tem andado nas mãos de gente , ou que não se recorda de nada, ou que desconhecia tudo... Francamente, é tempo do povo deixar de arranjar tachos a atrasados mentais, só porque andam bem vestidinhos e bem alimentados sem trabalharem.
  • Antonio
    17 mai, 2017 Mirandela 21:49
    Este senhor é um patego que nunca viu nem desconfiou de nada.........praticamente é um néscio.

Destaques V+