Tempo
|
A+ / A-

​“Ministro não mentiu”. PS quer revelar documentos da comissão de inquérito

09 fev, 2017 - 20:05

O deputado socialista João Paulo Rodrigues responde às acusações do PSD e do CDS e conclui que “a montanha pariu um rato”.

A+ / A-

O PS garante que o ministro das Finanças, Mário Centeno, não mentiu no caso Caixa e pretende prová-lo com a divulgação de documentos em poder da comissão parlamentar de inquérito que estão em segredo de justiça.

O deputado socialista João Paulo Correia responde às acusações do PSD e do CDS e conclui que “a montanha pariu um rato”.

Em conferência de imprensa, avançou que, na reunião de terça-feira da comissão de inquérito, vai pedir a divulgação da troca de correspondência entre Mário Centeno e o então administrador da Caixa Geral de Depósitos. “Terça-feira irão ter acesso a documentação.”

João Paulo Rodrigues assegura que, “em momento algum”, o ministro das Finanças se comprometeu, por escrito, com o então presidente da Caixa António Domingues no sentido de dispensar os administradores do banco da apresentação da declaração de rendimentos e património.

João Paulo Correia defende que não há nada nessa correspondência que comprometa o ministro das Finanças.

O CDS acusa Centeno de mentir, mas o deputado socialista considera que os centristas não “leram a totalidade da resposta” dada pelo governante.

“O ministro não mentiu. As acusações são infundadas, o ministro tem falado a verdade aos portugueses”, sublinha João Paulo Rodrigues.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Barsanulfo
    09 fev, 2017 alcains 22:19
    Pois... A choldra inútil no seu melhor: Eles não queriam, não querem, e tudo farão para impedir que a CGD seja de facto, efectiva e irrevogavelmente um banco público,ao serviço do país e dos portugueses. Jamais ao serviço da canalha que durante muito tempo afiou os dentes para receber no colo, a CGD, que durante muito tempo, o chefe máximo PaFalhoso messias, lhes prometeu privatizar e "vendar-lhes". O assunto de que este inútil tipo, porta voz da esganiçada, não falou e devia, é o que um ex-ministro disse com todas as letras, ontem sobre a Revogada,num canal de TV, ex chefe deste triste traste. Quem como a revogada traiu a nação, como ele o fez, com a irrevogabilidade simulada da sua demissão, para assim conseguir reforçar o seu poder no interior do então governo, que acarretou um acréscimo de milhões de juros de divida ao país, deveria ser julgado por TRAIÇÃO! Que tal srs Cêdêéssezinhos fétidos falar deste assunto? heimmmm?

Destaques V+