Tempo
|
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
A+ / A-

Parlamento português unido contra política Trump

03 fev, 2017 - 07:10

Há uma semana, o novo Presidente dos EUA proibiu temporariamente a entrada de cidadão de sete países de maioria muçulmana: Líbia, Sudão, Somália, Síria, Iraque, Irão e Iémen.

A+ / A-

A Assembleia da República debate esta sexta-feira cinco votos de condenação das políticas da nova administração norte-americana, liderada por Donald Trump, com destaque para o decreto que restringe a entrada nos Estados Unidos de cidadãos de sete países muçulmanos.

PS, PSD, BE, CDS-PP e PCP apresentarem individualmente votos de condenação da políticas seguidas pelo novo Presidente dos Estados Unidos, apesar de alguns partidos serem mais veementes nas críticas a administração Trump. O deputado único do PAN (Partido Animais e Natureza) subscreve o voto dos bloquistas.

A aprovação dos diferentes votos está ainda em aberto, uma vez que o PS, através do seu líder parlamentar, Carlos César, já fez saber que os socialistas não votarão favoravelmente os textos das outras bancadas.

"O PS tem uma posição própria, radicada na defesa de valores que incluem os da solidariedade internacional, em particular no caso dos refugiados", sustentou Carlos César.

O texto do PS condena em concreto as restrições em "matéria de imigração e acolhimento de refugiados".

O PSD pede ao Governo português que, no âmbito das organizações internacionais de que faz parte, "dê voz a esta reprovação" e renove os desígnios que formam a estrutura básica da relação transatlântica.

Os sociais-democratas apelam ainda à União Europeia para que fale "a uma só voz" na defesa dos compromissos internacionais e dos direitos humanos, "incluindo os direitos dos refugiados".

Quanto ao Bloco de Esquerda (BE), o primeiro partido a entregar um voto sobre esta matéria, defende todos os democratas e defensores de direitos humanos e de direitos de mulheres estão "convocados para tomar posição sobre estas matérias".

O líder parlamentar do BE, Pedro Filipe Soares, considerou importante que o parlamento português tome uma posição em defesa de uma "cidadania global que não pode dar passos para trás", o que considerou estar "em causa com os primeiros dias do mandato de Trump".

O CDS/PP optou por realçar os "efeitos negativos que pode gerar na ordem internacional" o decreto da administração Trump.

"A Assembleia da República, relembrando a importância da relação sólida de amizade e aliança entre Portugal e os EUA, expressa a sua preocupação pela ordem executiva, adoptada pela nova administração norte-americana e pelos efeitos negativos que pode gerar na ordem internacional; e lamenta o agravamento das divergências entre a UE e os EUA na gestão e perceção das ameaças que se colocam à nossa segurança comum", lê-se na parte deliberativa do voto dos centristas.

O voto da bancada comunista defende que a Assembleia da República condene "as políticas que desrespeitam os direitos dos refugiados e migrantes, nomeadamente as adotadas pela administração Trump" e peça "políticas que respeitem os direitos" destas pessoas consagrados na lei internacional.

"Os refugiados e os migrantes não são nem uma ameaça nem os responsáveis da crise económica e social", refere o voto, cujo primeiro signatário é o líder do grupo parlamentar do PCP, João Oliveira.

Na sexta-feira, Donald Trump assinou uma ordem executiva que suspende durante 120 dias o programa de acolhimento de refugiados nos Estados Unidos e congela durante 90 dias a emissão de vistos para os cidadãos de sete países de maioria muçulmana: Líbia, Sudão, Somália, Síria, Iraque, Irão e Iémen.

Esta foi uma das medidas mais polémicas dos primeiros dias de mandato do 45.º Presidente dos EUA.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Manuel
    06 fev, 2017 Coimbra 18:59
    É deplorável... que alguns deputados(as)/partidos políticos que aprovaram/aprovam a lei relativa à matança de seres humanos nascituros venham agora realçar nesta iniciativa, a defesa dos direitos humanos.
  • Oscar
    03 fev, 2017 Alpiarça 11:28
    É que estes MARMELOS têm as costas quentes, porque quando estes terroristas se derem ao luxo de entrarem pelo parlamento dentro e os reduzirem a esterco, talvez os próximos até concordem com TRUMP.
  • O Silva
    03 fev, 2017 Lisboa 09:27
    Se um dia aparecer um Trump em Portugal, todos estes "partidecos" ( Desde o BE até o CDS ) vão ser reduzidos à mediocridade que sempre mereceram.
  • Rui
    03 fev, 2017 Lisboa 09:04
    Bla Bla Bla Trump Bla Bla Bla Trump Bla Bla Bla
  • revolta
    03 fev, 2017 lisboa 08:54
    Pagamos milionariamente a esses gajos é para se unirem contra as causas e resolvê-las que levam a haver 2 milhões de pobres em Portugal, meio milhão de desempregados, 3 milhões de refugiados portugueses que fugiram do desemprego e da miséria, milhares de crianças com fome, velhos a morrer completamente abandonados, etc!!! O Trump foi eleito democraticamente pelos americanos cabe aos americanos resolverem as guerras internas entre elites judaico/maçónicas!!! Palhaçada, pagamos a peso de ouro a estes gajos para palhaçadas destas, com tanta miséria de todo o tipo em Portugal por resolver!!!
  • 03 fev, 2017 Lisboa 08:26
    Os nossos impostos que lhes pagam vencimentos, mordomias, pensões vitalícias, etc. são para estas palhadas??? Tenham vergonha na cara!!! não se aproveitem para limpar a imagem de muçulmanos que têm espalhado pelo Ocidente atentados, violações e todo o tipo de terrorismo e ainda lhes pagamos com os nossos impostos a estadia!!!! DEFEM OS PORTUGUESES é para isso que são pagos a peso de ouro!!!!! e há em Portugal muita miséria e de todo o tipo!!!!! Nos E.U.A. são guerras entre elites judaico/maçónicas e cabe ao povo americano resolvê-las!!!! OLHEM MAS É PELOS PORTUGUESES!!!!!!

Destaques V+