Tempo
|
A+ / A-

PS com liberdade de voto perante projectos sobre eutanásia

26 jan, 2017 - 15:27

"O grupo parlamentar do PS não terá uma posição oficial sobre essa matéria", disse esta quinta-feira Carlos César.

A+ / A-

O líder parlamentar do PS, Carlos César, afirmou esta quinta-feira que os deputados socialistas terão liberdade de voto quando forem apreciados na Assembleia da República projectos de lei sobre morte medicamente assistida.

Carlos César assumiu esta posição, depois de interrogado sobre qual o posicionamento da bancada do PS quando, na próxima semana, subir a plenário uma petição sobre eutanásia.

“O grupo parlamentar do PS não terá uma posição oficial sobre essa matéria. Cada deputado decidirá consoante a sua consciência a posição que deve tomar”, frisou o presidente dos socialistas.

Interrogado se tal significa que haverá liberdade de voto no Grupo Parlamentar do PS, Carlos César respondeu: “Exactamente”.

A questão da eutanásia vai chegar ao Parlamento no início de Fevereiro, meses depois de ter sido entregue uma petição a pedir a sua despenalização, com mais de oito mil assinaturas.

A petição foi discutida e sobe agora a plenário por iniciativa do Bloco de Esquerda.

Já na quarta-feira foi entregue uma petição de sentido contrário, a pedir aos deputados que não aprovem qualquer lei que legalize a eutanásia ou o suicídio assistido, que recolheu mais de 14 mil assinaturas, e que agora seguirá o mesmo processo que o anterior, não estando abrangido pela discussão que está agendada para o dia 1 de Fevereiro no Parlamento.

A eutanásia ou o suicídio assistido são legais num número muito reduzido de países, incluindo a Bélgica, a Holanda e a Suíça. A legalização conta com a oposição de grande parte da classe médica e da Igreja Católica em Portugal.

[Notícia actualizada às 16h38]

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Avé César
    26 jan, 2017 Barcara Augusta 18:58
    Trocando por miúdos, então nas outras matérias não há liberdade?! Bela democracia, os deputados têm de votar de acordo com o que o César diz. Olha, já era assim na Roma antiga, o César é que mandava. O outro o César Augusto! Este, para além do nome também tem o feitio. A fronha condiz com a almofada!

Destaques V+