Tempo
|
A+ / A-

​Eutanásia. PSD quer debate alargado e rejeita "acordos assinados à socapa"

07 dez, 2016 - 00:22

Os sociais-democratas querem alargar o debate a toda a sociedade. Opõem-se a soluções impostas no Parlamento, por acordos entre os partidos de esquerda que suportam o Governo.

A+ / A-

Veja também:


O PSD defende um amplo debate alargado sobre a eutanásia, avança o vice-presidente do partido, Marco António Costa.

Os sociais-democratas rejeitam soluções impostas no Parlamento, por acordos entre os partidos de esquerda que suportam o Governo de António Costa.

A eutanásia é um dos temas em debate no Conselho Nacional do PSD, reunido esta terça-feira à noite, em Lisboa.

O vice-presidente do partido, Marco António Costa, diz que a questão é fracturante e merece, por isso, reflexão aprofundada.

“O que nós pretendemos é mobilizar a sociedade portuguesa, abrir caminho para uma consciencialização de que estas matérias não se tratam nos corredores do Parlamento, nem em encontros, nem em acordos assinados à socapa”, avisa o dirigente “laranja”.

“São matérias que devem envolver a sociedade, ouvir os portugueses e permitir que livremente, em matérias de consciência, cada um formule o seu juízo e actue em função do seu juízo, mas para isso tem de ser um juízo informado. Para tal, há que promover esses debates e nós cumprimos essa missão ao promover hoje o primeiro debate”, remata Marco António Costa.

Esta posição surge numa altura em que a eutanásia vai ser debatida no Parlamento, depois de a comissão de Assuntos Constitucionais, Direitos, Liberdades e Garantias ter aprovado, no final de Novembro, o relatório sobre a petição que pede a despenalização da eutanásia.

A petição, subscrita por mais de oito mil pessoas, vai, assim, a debate no plenário da Assembleia da República. Os deputados deverão ser chamados a tomar posição no início do próximo ano, tendo o Bloco de Esquerda (BE) e o PAN anunciado que apresentarão iniciativas próprias.

A Conferência Episcopal Portuguesa (CEP) pediu já um debate sobre eutanásia alargado a outros sectores da sociedade portuguesa. Considera que a discussão política é insuficiente.

A Igreja Católica, bem como quase todas as principais confissões cristãs, muçulmanas e judaicas, condena firmemente qualquer prática que antecipe a morte de um doente, seja a seu pedido ou não, opondo-se por isso tanto à eutanásia como ao suicídio assistido.

Eutanásia em debate desde Fevereiro

Tudo começou com um manifesto em defesa da morte assistida, assinado por políticos de vários quadrantes, cientistas, médicos e artistas. O documento, lançado no início de Fevereiro, deu entrada na Assembleia da República no dia 26 de Abril, com mais de oito mil assinaturas.

Em Março, a Conferência Episcopal Portuguesa (CEP) lançou uma nota pastoral que contesta uma eventual legalização da eutanásia em Portugal e rejeita qualquer solução que coloque em causa a “inviolabilidade” da vida.

Em Abril, a CEP reforçou a sua posição de “total rejeição” de uma eventual legalização da morte assistida, afirmando, em comunicado que “a Igreja nunca deixará de defender a vida como bem absoluto para o homem, rejeitando todas as formas de cultura de morte”.

Durante a Caminha pela Vida, a 14 de Maio, foi lançada a petição contra a eutanásia, que também pede "mais apoios para os idosos”. As assinaturas já existentes foram recolhidas online, no site www.todaavidatemdignidade.org.

Cinco bastonários da Ordem dos Médicos assinam uma carta na qual se opõem frontalmente à eutanásia, considerando que esta prática “não é mais do que tirar a vida” e que os médicos que o façam negam a profissão.

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • graciano
    07 dez, 2016 alemanha 12:25
    os defenssores da eutanasia nao passam de covardes se querem murrer deem um tiro na cabeca mas como covardes que sao nao teem coragem para o fazerem precisam de uma lei para os outros fazerem o trabalho por eles -----ha aprovem isso rapidinho porque estou farto da minha mulher quero mandar o medico mata la---ha e ja agora estou farto de certos politicos quero que os medicos os matem porque eles estao a sofrer e fazer sofrer o povo kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
  • Rui Palmeiro
    07 dez, 2016 Santarem 12:00
    A geringonça fala muito nos mais velhos, mas pelos vistoso o que quer é despacha-los o mais depressa possível para a cova para poupar nas reformas.Mas em Portugal sâo os mais velhos que elegem a maioria dos deputados e governo.Por isso gente de idade deste País vejam como eles (geringonça) gostam de vocês. .
  • João Lopes
    07 dez, 2016 Viseu 11:32
    A eutanásia e o suicídio assistido são diferentes formas de matar. Os médicos existem para defender a vida, não para matar nem serem cúmplices do crime de outros.
  • Zé Pagante
    07 dez, 2016 Lisboa 09:15
    O PSD têm adoptado uma linguagem de TASCA que se torna nojenta e até obscena nalgumas situações. Nesta questão da eutanásia, assunto muito sério e que irá ser debatido na AR, como não têm nada para dizer, argumentam antes do debate, que não concordam com "acordos assinados à socapa". Mudem de registo ou calem-se de vez, são nojentos!
  • Mario
    07 dez, 2016 Portugal 01:17
    Este tema mete nojo. Primeiro porque alguém com uma doença incurável e sofrendo muito tem todo o direito de pedir para morrer do que sofrer até morrer. Se negarem ao seu pedido então isso é tortura gratuita que estão a fazer. Mas igreja adora mártires e sofrimento porque Deus gosta muito de nós e por isso devemos subir a calçada do Carmo de joelhos, mas se subir-mos a serra da Estrela ajoelhados seremos uns santos e todos os nossos pecados perdoados. Nenhum governo devia ter direito de discutir este assunto pois muitos deles matam milhões de inocentes com as guerras que fabricam. Se eu quiser por termo á minha vida ninguém o irá impedir e seguramente nem se importarão com isso. A vida é minha faço com ela o que a minha consciência ditar.

Destaques V+