Tempo
|
A+ / A-

“Sem uma rede de cuidados paliativos é precoce querer legalizar práticas como a eutanásia"

11 fev, 2016 - 08:10 • Teresa Almeida

O presidente da Associação Portuguesa de Bioética defende a criação de uma rede efectiva de cuidados paliativos em todo o território nacional. "É precoce estarmos a tentar legalizar práticas que nos podem desvirtuar da essência do problema", defende Rui Nunes.

A+ / A-

O presidente da Associação Portuguesa de Bioética, Rui Nunes, defende a criação de uma rede efectiva de cuidados paliativos à escala nacional, antes de um eventual avanço no sentido da legalização da eutanásia.

Na véspera do Congresso Nacional de Bioética, Rui Nunes defende, em declarações à Renascença, que "é precoce estarmos a tentar legalizar práticas que nos podem desvirtuar da essência do problema", pedindo, por isso, que haja "vontade politica para implementar esta rede, porque ela no papel já existe”.

Rui Nunes diz não entender porque não há um manifesto de "notáveis" a pedir essa prevista rede nacional de cuidados paliativos e apela a “uma tomada de posição de uma sociedade e de um povo, que tem que olhar para a morte, primeiro, como algo de natural que nos vai acontecer a todos, e, depois, como algo que tem de ser profundamente humanizado”.

Para Rui Nunes, esta vontade política não depende unicamente dos responsáveis políticos, mas de todo o país, porque "isto diz respeito, não apenas ao Ministério da Saúde, mas a toda uma sociedade". O responsável faz "votos de que seja tida em conta esta vontade da sociedade portuguesa”.

"Estamos preocupados com evoluções legislativas, por muito importantes que elas sejam. A verdade é que ainda não começamos a colocar os tijolos da casa pelas suas fundações”, lamenta o presidente da Associação Portuguesa de Bioética, insistindo que a tónica deve ser posta na garantia de que haja "cuidados humanizados e especializados aos doentes terminais".

"A essência do problema é que todas as pessoas vão morrer e devem morrer com paz e dignidade. E a assistência médica é um último recurso, mas só depois de a garantirmos a todos, depois de garantirmos que todos têm as condições necessárias para morrerem com dignidade, com atendimento humano e personalizado”, acrescenta Rui Nunes.

"O básico, nisto, é o atendimento humano, espiritual e com compaixão daqueles que morrerem”, remata.

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Maria José Almeida
    29 mar, 2016 Vila real 23:43
    Não concordo com eutanásia ...Acho que é uma boa desculpa para o estado poupar dinheiro ...Meu marido sofreu muito mas muito mas não queria morrer Não aceito nem admito tanto eguismo sociedade
  • Nuno
    12 fev, 2016 Lisboa 15:33
    Concordo com a criação de uma rede efectiva de cuidados paliativos à escala nacional. Mas discordo que se faça relação com a legalização da eutanásia. Numa visão utópica onde teríamos o melhor em cuidados paliativos, qual seria a desculpa para não legalizar?
  • rosinda
    11 fev, 2016 palmela 22:28
    as pessoas nao tem dinheiro nem tem quem cuide a tarefa do cuidador tambem nao e nada facil!
  • rosinda
    11 fev, 2016 palmela 22:19
    antes de muitas outras coisas que se fizeram no nosso pais devia ter sido criada uma rede de cuidados paliativos em condiçoes !A rede de cuidados paliativos que temos sao lares a maioria deles clandestinos !sao la que os nossos velhos morrem.
  • Barbeiro
    11 fev, 2016 Braga 13:30
    Eutanásia : Se ouver eutanásia muitos que tem alzaime ou outros dentes com grandes problemas chegados a uma unidade hospitalar vão desaparecer. Filhos que levam os pais aos hospitais para cuidar de uma gripe sendo o Pai ou Mãe já idosos, é visto por alguém que não os filhos, como um estorvo a dar prejuízo au estado, já era, há que preparar o funeral pois murreu com uma infecção ou um vírus qualquer. E quantos País bem idosos hoje ainda são o pilar das famílias. Que bonitas são as festas de Natal e Páscoa na casa dos Avós. Se estão com uma grande emfermidade só temos de lhes dar o maior com foto possível e fazer com que sintam amados. Deixemos de ser iguistas só pensámos em nós
  • JR
    11 fev, 2016 LIsboa, Puto 10:34
    Se houver eutanásia para que são os cuidados paliativos?

Destaques V+