Tempo
|
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
A+ / A-

Portas elogia Cavaco. “Foi um discurso corajoso”

23 out, 2015 - 12:26

O líder do CDS disse que o Presidente da República fez a escolha expectável, o de indigitar o vencedor das eleições como primeiro-ministro.

A+ / A-

O líder do CDS-PP elogiou esta sexta-feira o "discurso corajoso" do Presidente da República ao anunciar a indigitação de Passos Coelho como primeiro-ministro, destacando o "sério aviso à navegação" sobre os partidos que defendem "a saída do euro".

"O discurso do Presidente da República foi muito corajoso. Indigitou quem venceu as eleições e é isso que é democrático e é isso que é expectável", começou por afirmar Paulo Portas, lembrando que "ao longo de 40 anos todos os candidatos a primeiro-ministro que venceram eleições foram indigitados" e os seus programas de governo "não foram obstaculizados".

Trata-se de "uma regra de bom senso a partir da leitura da Constituição", sustentou Paulo Portas, que falava aos jornalistas após uma reunião com a direcção da Confederação do Comércio e Serviços de Portugal, em Lisboa.

Questionado sobre o teor da comunicação ao país que Cavaco Silva fez quinta-feira, Paulo Portas considerou que o Presidente fez "um sério aviso à navegação" quando se referiu a partidos como o PCP e o BE que defendem "a saída do Euro" ou que Portugal "deve preparar-se para sair da União Europeia".

Aviso à navegação

"O Presidente da República o que fez foi um aviso à navegação que é responsável, que é verdadeiro. Em Portugal o Governo sempre foi formado no arco europeu por aqueles partidos que acreditam na União Europeia, no projecto do euro, no tratado orçamental e que cumprem compromissos internacionais. Colocar o Governo na dependência de quem acha que Portugal deve sair do euro na ‘próxima esquina´, ou que Portugal se deve preparar para sair da União Europeia, era isso que os partidos afirmavam, pode causar danos muito sérios à credibilidade de Portugal, à imagem de Portugal, ao investimento e à criação de emprego", defendeu.

Questionado sobre o anúncio da apresentação de uma moção de rejeição ao programa que vier ser apresentado pelo primeiro-ministro indigitado, Portas defendeu que a "sede de poder excessiva" não vale tudo e reiterou que em 40 anos os programas de governo de maiorias relativas foram viabilizados.

"Se não há maioria absoluta, quem vence e quem perde devem estar disponível para compromissos. Nenhum programa de governo saído das eleições deixou de ser viabilizado. Há 40 anos que é assim", disse.

Questionado sobre se aceitará fazer parte de um governo de gestão, caso o programa a apresentar por Passos Coelho seja chumbado - o que implica a demissão do Executivo - e o Presidente da República se recuse a empossar um governo apoiado pelo PS, PCP e BE, Portas não quis esclarecer o que fará, dizendo apenas que só agora, após a indigitação do primeiro-ministro, conversará com Pedro Passos Coelho.

O Presidente da República, Cavaco Silva, anunciou quinta-feira que indigitou o líder do PSD, Pedro Passos Coelho, como primeiro-ministro, e afirmou que apesar de um executivo PSD/CDS-PP poder não assegurar inteiramente a estabilidade política necessária, um Governo apoiado pelo PS, PCP e BE seria "claramente inconsistente" e teria consequências financeiras, económicas e sociais "muito mais graves". Lembrou ainda que "a última palavra" na formação do Governo cabe aos deputados, a quem compete decidir "em consciência tendo em conta superiores interesses da nação" se o Governo deve assumir as suas funções.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Irrevogavel
    23 out, 2015 lx 16:45
    Evora está à tua espera!...Tudo uma questão de tempo!
  • Alentejano
    23 out, 2015 Évora 12:55
    Nunca tinha ouvido tantos elogios de dirigentes da Coligação ao PS, como ouvi ontem. Andaram 4 anos a hostilizar o PS, exagerando claramente na dose, com uma arrogância e prepotência desmesuradas e agora querem o quê? Estão em pânico e o grande problema é se a coligação de esquerda resulta. Durante muitos anos não vão meter os cascos no governo.
  • Joao
    23 out, 2015 Lisboa 12:53
    Eu acho que a união europeia é que deve preparar-se para eventuais saídas do euro poderá haver países que não conseguirão aguentar muito mais tempo a permanência na moeda única porque são muito frágeis economicamente, o portas é uma andorinha para a qual a Primavera está prestes a acabar.

Destaques V+