Tempo
|
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
A+ / A-

O "papão" comunista saiu da gaveta. Há razões para ter medo?

23 out, 2015 - 07:21 • João Carlos Malta

Jerónimo era simpático e respeitador, Catarina assertiva e a revelação dos debates televisivos. A possibilidade de PCP e BE apoiarem o PS num governo de esquerda mudou os qualificativos por muitos, mesmo à direita, atribuídos a estes líderes. Nos últimos 15 dias, a ideologia que muitos mataram regressou à política portuguesa e as memórias reavivaram-se. O comunismo e as derivações esquerdistas voltaram a ser um perigo. Faz sentido? A Renascença falou com Jaime Nogueira Pinto, Nuno Garoupa, José Neves e António Filipe para responder à questão.

A+ / A-

E, de repente, tudo mudou. A abertura da porta por Jerónimo de Sousa surpreendeu o país: o aparentemente inamovível PCP abriu o caminho a um futuro Governo de esquerda. Catarina Martins confirmou que essa era também a vontade do Bloco de Esquerda. E António Costa deu a mão aos dois. Assume querer ser primeiro-ministro e diz ter derrubado “o resto do muro de Berlim”.

Mas uma acção, em política, tem quase sempre uma reacção. E não foi pequena. À direita, e também dentro do Partido Socialista, houve vozes que, primeiro, não calaram o espanto e, depois, enfatizaram o desacordo. Falou-se de golpe de Estado, brincadeira parlamentar e foi desfraldada a bandeira da ilegalidade do processo.

O papão comunista e o perigo da “esquerda radical” voltaram à cena política. Porquê? É tudo táctico ou a ideologia voltou? Há perigo real de novas colectivizações, nacionalizações e de saída do euro? Como é que os comunistas olham para o reacender dos axiomas pós-revolucionários? A Renascença foi à procura destas e outras respostas junto do especialista em ciência política Jaime Nogueira Pinto, do economista Nuno Garoupa, do historiador José Neves e do deputado comunista António Filipe.

Onde reside a génese do anticomunismo em Portugal?

A história do anticomunismo em Portugal é já longa. Começou ainda antes de o Partido Comunista Português (PCP) ter um peso social relevante. Tem origem no início do século XX. “Mesmo quando o comunismo, nos anos 20, era uma realidade partidária relativamente fraca, o anticomunismo era já uma tradição politico-ideológica forte”, diz o historiador José Neves, que ganhou o prémio A. Sedas Nunes pela obra “Comunismo e Nacionalismo em Portugal. Política, Cultura e História no Século XX”.

A história avançou e, já em pleno Estado Novo, esse sentimento anticomunista foi quase unânime. “Não se manifestou apenas no regime, mas em determinados sectores da oposição. É relativamente possível situar o momento em que o comunismo e o fascismo passaram a ser usados como referentes a uma e a mesma coisa. E começa a sê-lo feito por pessoas que nem estavam perto do regime”, indica o historiador.

Vem a revolução de Abril, passa o tempo quente pós-revolucionário e a luta ideológica contra os comunistas começa a ficar mais macia. Até que surge uma nova vaga.

“Nos sectores do centro e do centro esquerda, essa tradição anticomunista dissipou-se. O que me parece que tem crescido de forma mais acentuada nos últimos dez a 20 anos, em Portugal, é a solidez cultural, intelectual, académica de uma direita que é visceralmente anticomunista. Na verdade, tem sido essa área a que se tem mostrado mais activa em lançar um anátema sobre o Partido Comunista”, reflecte o professor da Universidade de Lisboa.

Para José Neves, o que temos hoje é uma “realidade nova”. “Já não é apenas a direita do Estado Novo. É uma direita que se expressa como fortemente anticomunista depois da queda do muro de Berlim e que imaginou que os comunistas estavam condenados a desaparecer”, finaliza.

Anticomunismo: uma táctica ou a história não acabou

As últimas décadas, cheias de tratados e indicadores macroeconómicos para cumprir, abriram no panorama político espaço à tese de que o pragmatismo é que comanda as decisões políticas. Foi o apogeu dos tecnocratas. Mas, então, porque regressam agora os ataques com argumentos ideológicos?

Jaime Nogueira Pinto não pensa que seja assim. Defende que não há direita política em Portugal, há apenas uma direita académica e social, e uma nova elite económica que emerge a defender essas teses.

“Os argumentos que pesam mais actualmente é que, na análise internacional da situação da dívida portuguesa, são [os que apontam que] o aparecimento de partidos como o PC e o BE tem efeitos nos juros. Isso, sim, será negativo e caro. Não estamos a pensar que os comunistas vão acabar com as liberdades públicas ou matar criancinhas. Já fizeram isso em muitos sítios, mas não é isso que está em jogo”, defende o especialista em ciência política.

O presidente da Fundação Francisco Manuel dos Santos (FFMS), Nuno Garoupa, defende que para este reavivar de argumentos antigos "há razões conjunturais que têm a ver com uma fase de pré-negociação ou de negociação de soluções governativas".

"É normal que as diferentes partes lancem esse tipo de argumentos para condicionar a outra parte. Não me parece que essa seja uma preocupação genuína”, sublinha.

“Há sectores de uma população mais velha que têm recordações do tempo do PREC e que entendem que o envolvimento dos partidos à esquerda, que estão acantonados desde essa altura, possa levantar questões dessa época. Mas isso será muito localizado em certas franjas da opinião pública”, argumenta Garoupa.

O economista não sobrevaloriza aqueles que na opinião publicada vociferam contra os comunistas. Enquadra-as no momento e dá-lhes um equivalente. “O mesmo acontece do outro lado, quando dizem que a direita é neoliberal e Passos Coelho é parecido com Salazar”, diz. Retórica, portanto.

Já o deputado comunista António Filipe afirma que, no seio do PCP, os últimos 15 dias têm sido vividos com perplexidade.

“A direita, pela primeira vez em muitos anos, sente que há uma possibilidade real de ser afastada do poder. E, em função disso, temos assistido ao desenterrar de uma enorme bateria argumentativa anticomunista que diria que só tem paralelo no tempo do fascismo”, reflecte.

António Filipe diz que se quer fazer passar uma “tese antidemocrática” de que os comunistas não podem ter qualquer intervenção na governação do país, “nem sequer pode haver um governo que possa contar com o apoio parlamentar dos comunistas”.

O PCP mudou? Mesmo?

Nacionalização da banca, saída da Europa, abandono do euro, apropriação de terras. Estas ideias voltaram ao debate público quando Jerónimo de Sousa não fechou o caminho a um entendimento com António Costa.

O PCP, descrito como sendo um partido ortodoxo e que fez poucas ou nenhumas cedências ideológicas em 40 anos, mudou assim tanto desde o PREC?

O historiador José Neves chama a atenção para a dificuldade de muitos em perceber o Partido Comunista. E engloba nesse grupo os académicos, o comentário político e o jornalismo. “É um universo com uma linguagem comunicacional própria, pelo que nós estranhamos à partida e que estereotipamos”.

Relativamente às ideias fundadoras do partido, conclui que elas não mudaram. “Nem vejo como é que o PC pode ser o PC deixando de ter uma concepção da economia contra a lógica das privatizações”, elucida.

Neves alerta para o facto de que os comunistas sabem ter um sentido táctico apurado e intuem, por exemplo, quando é que é o momento de travar privatizações e quando se podem permitir a pensar em nacionalizações.

O deputado comunista António Filipe sente-se indignado quando alguém levanta o argumento antidemocrático para pôr o PCP fora do arco da governação. “É completamente falso que alguma vez tenha havido um projecto do PCP de acabar com a democracia. Foi um partido que sempre lutou pelo aprofundamento da democracia.”

Nuno Garoupa acredita que o momento levará à necessidade de uma clarificação no PCP. “Parece-me que vai ter de tomar uma decisão. Para manter essas bandeiras, pode viabilizar o governo, mas não o pode integrar. E se as abandonar, fica numa posição eleitoralmente complicada.”

Mas há quem vá mais longe. Jaime Nogueira Pinto não crê que BE ou PCP reneguem as ascendências ideológicas. E lembra que as ideias têm consequências. “Quem quer uma sociedade sem classes, a determinada altura, tem de prender os burgueses. Estas coisas não se fazem a feijões. As pessoas, à partida, são muito simpáticas e querem fazer coisas extraordinárias e para o bem de todos”, avisa.

Até tu, PS? Claro…

O desenterrar do anticomunismo trouxe acoplado as divergências fundadoras da esquerda pós-revolução de 1974. No PS, houve várias vozes que se levantaram. Sérgio Sousa Pinto deu o mote, com a publicação numa rede social de uma fotografia da Fonte Luminosa (local icónico na Alameda, em Lisboa, em que Mário Soares fez um discurso histórico em que atacava os comunistas de quererem subverter a revolução). Acto contínuo, demitiu-se do Secretariado Nacional do PS.

Seguiu-se o desfilar de várias figuras do partido a assumir a mesma posição. Francisco Assis à cabeça, vários “seguristas”, como Álvaro Beleza e Brilhante Dias, e "históricos" como Vera Jardim. António Vitorino também já exprimiu muitas reservas.

Jaime Nogueira Pinto percebe muito bem estes sentimentos. “Um militante socialista tradicional tem um arrepio de pele ao ver este tipo de alianças. As frentes populares correram bastante mal, para um lado e para o outro”, assinala. E acrescenta que, apesar de muitas vezes ter um discurso esquerdista, o PS sempre fez questão de marcar “uma margem larga em relação aos partidos extremistas.”

O presidente da Fundação Francisco Manuel dos Santos, Nuno Garoupa, crê que há pessoas dentro do PS que estão preocupadas com as consequências da constituição de uma coligação à esquerda, mas que não assentam no que aconteceu no PREC. “Tem mais a ver com as consequências eleitorais que pode ter”, concretiza.

O PCP acredita que essas declarações e tomadas de posição são motivadas pela táctica política. “Algumas pessoas surpreenderam-me, sobretudo os mais jovens, que nem têm noção dessas cisões. Penso que tem a ver com as lutas de liderança interna do PS”, resume António Filipe.

Sindicatos e PCP. Quem puxa por quem?

Já houve outros momentos em que a esquerda se poderia ter unido. A votação do PEC IV (em que PCP e Bloco votaram ao lado de PSD e CDS) é um exemplo clássico e também dos mais recentes.

Os motivos que levam a que o PCP tome agora este passo são identificados pelo historiador José Neves, que chama a atenção para a relação do partido com a CGTP. Será que é só o PCP que controla a central sindical?

“Muitas vezes, pensamos sobre a influência do PCP nas centrais sindicais ou junto dos sindicatos, mas não pensamos nas influências que as direcções das centrais sindicais podem ter junto do PCP. A conflitualidade deste governo com os sindicatos foi tremenda. Falava-se que uma das primeiras medidas que a coligação iria tomar era o estatuto do sindicalismo”, lembra.

A privatização ou subconcessão dos transportes retira força ao movimento sindical e subtrai-lhe uma das maiores forças que detém: o poder de parar o país.

José Neves soma ainda o “cariz revolucionário” que a política do governo de Passos Coelho reclamou para si na transformação da sociedade e do Estado. “É possível que a direcção do PC se tenha assustado e entendeu que este governo não era apenas mais um governo”, argumenta.

“Syrizar”, estabilidade e a frente antiausteridade

A retórica argumentativa de António Costa e dos parceiros da esquerda é a de que os portugueses votaram massivamente contra a austeridade. Isso, defendem, legitima a indigitação de um outro governo. O PS já disse, entretanto, que respeitaria todos os acordos internacionais de Portugal. Isso pressupõe o tratado orçamental.

Um possível governo do PS, apoiado no Parlamento pelo BE e o PCP, teria legitimidade então para impor medidas de austeridade?

Nuno Garoupa diz que a única forma de tudo resultar é fazer como o Syriza fez: deixar de ser Syriza. “Se os partidos de esquerda quiserem ir para o governo com o seu programa, isso faz com que automaticamente tenha uma curta duração”, defende.

Nogueira Pinto alinha na mesma imagem. “Vamos ver quem é que esse governo quer ser. O primeiro Syriza ou o segundo. O primeiro terminou quando deixou de haver dinheiro nos ATM”, acrescenta.

Ressalvando que fala sem haver um programa de governo socialista, António Filipe crê “que a única saída é virar a página da austeridade”. “Foi para isso que o povo tirou a maioria ao PSD e CDS”, argumenta.

Corra bem ou corra mal, é o PCP, na perspectiva de José Neves, quem sairá menos chamuscado de um eventual falhanço. “O PCP estará mais protegido porque tem uma imagem de marca enquanto partido ortodoxo, se o PS não romper com a austeridade. Entra no acordo com uma concepção táctica e estratégica, com um programa que não é o do PCP e com o qual em muitos aspectos discorda”, diz.

A história, caso venha a acontecer, validará ou não o prognóstico.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Paulo
    29 out, 2015 vfxira 17:40
    Depois de 40 anos de "democracia" parece que esta afinal é muito mediocre,a comunicação social faz dos partidos de esquerda um papão,os partidos de direita tremem com a ideia de ficarem na oposição, e até o Presidente da Républica não tem um discurso aberto e explicando ao povo que em democracia,todos os partidos legalizados e com assento na Assembleia,têm os mesmos direitos.Até parece que nesta "democracia" não há lugar para os partidos de esquerda,esquecem-se que se não fosse a gente de esquerda,hoje ainda não haveria a tal "democracia".
  • Sérgio
    29 out, 2015 Linda-a-velha 16:47
    certas pessoas esquecem-se que quem foi preso e torturado não foi esta gente que está no governo e se hoje temos um País democrático temos que agradecer aos tão maus comunistas.Afinal quem é que tem medo dos comunistas será que que são os os trabalhadores ou aqueles que os exploram com ordenados de miséria e assim ficam cada vez mais ricos e os pobres cada vez mais pobres.
  • Ilda Silva
    25 out, 2015 Vila do conde 15:58
    Faz alguma confusão este apoio do PCP ao governo PS - então como é possivel um partido anti euro, anti europa, anti tratado orçamental, anti-NATO dar apoio a um governo que defende todas estas coisas, com as implicações nomeadamente orçamentais de estar na zona euro, isto é sem folga para investimento público, para aumentar despesa com salarios e pensões, sem folga para aumentar os apoios socais......... Isto seria mais fácil na epoca das vacas gordas com dinheiro para distribuir ???? Assim suspeito que a existir um acordo, vai ser sol de pouca dura..... e espero que país não termine a percisar de 2ª resgate que acho que os portugueses nunca perdoariam ao PS Quanto ao Antonio Costa o que vejo é um politico a lutar pela sobrevivência politica, o país que se lixe..... toda a gente sabe que as posições PS são muito mais proximas da coligação do que das posições do PCP, o PS partido come e cala porque cheira a poder e a tachos.....
  • António Tomás
    25 out, 2015 Pinhal Novo 11:27
    As situações fazem as pessoas por vezes mudarem de atitudes, e é o que está a acontecer neste momento na situação política do país, a esquerda está a entender-se colocando de lado as ideias chamadas por alguns de extremistas e querendo uma mudança de política no país acertando o passo nas situações necessárias para que isso aconteça, o que para certas pessoas, ainda que uma situação impossível de acontecer ou seja isso nunca deveria acontecer porque sempre viram os partidos de esquerda cada qual com suas ideias e criticas sobre os outros partidos então no seu pensar deveriam sempre ser assim, sempre críticos e defensores de seus ideais, agora aprece uma situação de entendimento entre os partidos de esquerda, certas pessoas não querem aceitar a mudança e evolução partidária de esquerda, ficam de beiço caído e procuram tudo quanto possível para justificar uma união a não se poder realizar, em fim pessoas de ideias fixas, tipo mesmo que esteja mal, sou desta ideia e será sempre assim, mude você que eu não mudo, é tipo só eles estão bem os outros estão todos mal.
  • Salganhada
    25 out, 2015 Oeiras 10:53
    O problema não são os comunistas em si, mas sim que isto vire uma salganhada tipo Venezuela... para gozo do Virafacas...
  • João Lopes
    24 out, 2015 Viseu 19:14
    JASaraiva escreveu no SOL (23/10/2015): «as atrocidades praticadas na União Soviética - que o PCP nunca teve a coragem de denunciar e das quais nunca se demarcou - não são uma invenção dos anti-comunistas…o comunismo só é aplicável através da força bruta». E o PS agora, abraça-os (PCP e BE) para sobreviver politicamente, já que foi o grande derrotado nas últimas eleições!
  • Leiam!
    23 out, 2015 Lisboa 21:45
    Há razões para ter medo, sim. Para os incautos, ingénuos ou distraídos: os comunistas não mudam; apenas esperam matreiramente a hora de tomar o poder. São como os predadores que se fazem passar por inofensivos e se camuflam, para melhor saltarem sobre a presa. Os métodos comunistas de tomada do poder são sempre os mesmos, há décadas. E depois de o tomarem, fazem instalar regimes ferozmente implacáveis, de partido único e de unicidade sindical, em que a liberdade de expressão só existe para quem lê a mesma cartilha: Matam, deportam, aniquilam. "As cidades tomam-se por dentro.". "Quem não é por nós é contra nós.". Leiam os livros da mais recente Nobel da literatura. São um exemplo de clareza sobre o horror do regime soviético. Leiam e abram os olhos. Os comunistas NÃO MUDAM.
  • Alentejano
    23 out, 2015 Évora 16:39
    A coligação entalou-se e agora estão desesperados. Paciência! Talvez precisem de uns anos como oposição para pelo menos atenuarem a arrogância e a prepotência. A democracia só terá a ganhar com um PSD mais ao centro e não tanto á direita como tem sido nestes últimos 4 anos. Com o CDS a democracia pouco ou nada tem a ganhar. Basta ver onde estão aqueles, os filhos daqueles, os netos daqueles...etc. Daqueles que antes do 25 de Abril exploraram quem trabalhava até ao tutano.
  • LC
    23 out, 2015 Lisboa 14:08
    Não se preocupem com os comunistas, quem vos tirou subsídios, médicos de família, transportes mais caros, venda de património do Estado, décimo 13º mês, feriados, férias e muitas coisas mais, foram uns tipos que hoje se dizem Coligação de Direita.
  • Eduarda
    23 out, 2015 Porto 13:53
    Resposta ao João, Não se esqueça de referir no seu discurso anti - comunista o facto de estes comerem criancinhas ao pequeno almoço e matarem velhos com uma injeção atrás da orelha !!!!!!!!!!!!!!

Destaques V+