Siga-nos no Whatsapp
A+ / A-

Plataforma da PSP e GNR critica Montenegro por falar em "cenários irrealistas"

10 mai, 2024 - 18:48

"O senhor primeiro-ministro deixa essa ideia no ar e foi algo que me perturbou", disse Bruno Pereira, lamentando a associação das negociações com as forças de segurança "a um possível arrastamento" de outros setores da administração pública. "Não me parece razoável. Há áreas prioritárias e estratégicas do Estado e este setor em concreto assume um papel totalmente insubstituível como dever de soberania".

A+ / A-

O porta-voz da plataforma que congrega os sindicatos da PSP e associações da GNR criticou esta sexta-feira o primeiro-ministro por falar em "cenários irrealistas" nas negociações com o Governo para a valorização remuneratória das forças de segurança.

Em declarações à Lusa, Bruno Pereira lembrou que Luís Montenegro apontou "repetidas vezes" para a necessidade de rever a situação financeira dos polícias "ao longo do período pré-eleitoral, eleitoral e pós-vitória" e considerou perturbador que essa expectativa dos elementos da Polícia de Segurança Pública (PSP) e da Guarda Nacional Republicana (GNR) seja vista como um cenário irrealista.

"O senhor primeiro-ministro deixa essa ideia no ar e foi algo que me perturbou", disse o porta-voz da plataforma, lamentando a associação das negociações com as forças de segurança "a um possível arrastamento" de outros setores da administração pública: "Não me parece razoável. Há áreas prioritárias e estratégicas do Estado e este setor em concreto assume um papel totalmente insubstituível como dever de soberania".

O responsável, que é também presidente do Sindicato Nacional dos Oficiais de Polícia (SNOP), lembrou que foi o cariz estratégico e prioritário que esteve na base de negociações com outras classes profissionais, como os médicos, e defendeu que a questão da valorização das forças de segurança "é muito particular para ser confundida com outras que estão também neste momento a ser discutidas noutros setores da administração pública".

Questionado sobre um aparente recado de Luís Montenegro para os sindicatos e associações de PSP e GNR, ao dizer que "este não é o tempo de entrevistas, de recados através da comunicação social", Bruno Pereira manifestou a expectativa de que esse não tenha sido o objetivo do primeiro-ministro, quando está agendada para quarta-feira a próxima reunião entre o Ministério da Administração Interna (MAI) e o sindicatos da PSP e associações socioprofissionais da GNR.

"Acho que seria um ataque vil àquilo que é o normal exercício do combate sindical, sendo ele um direito fundamental da constituição. Mais: tivemos o pleno cuidado de durante o dia de ontem partilhar com a comunicação social a nossa proposta apenas depois de o termos feito oficialmente para o MAI. E a sociedade civil tem o direito de saber, tendo em conta o impacto e a discussão que se tem sedimentado à volta desta questão ao longo de meses", frisou.

Na cerimónia de tomada de posse do novo diretor nacional da PSP, o primeiro-ministro assegurou que o Governo quer dar "boa sequência" às negociações com as forças de segurança, mas avisou contra "cenários irrealistas" e frisou que qualquer mudança terá reflexos em toda a administração pública.

Um dia após a plataforma ter apresentado ao Governo a sua proposta, que passa por um aumento de cerca de 600 euros através da alteração do atual suplemento por serviço e risco nas forças de segurança, Bruno Pereira defendeu que a mesma "não pode ser [considerada] irrealista" e disse esperar que a ministra da Administração Interna, Margarida Blasco, faça na próxima quarta-feira "uma contraproposta que tenha um mínimo de dignidade".

O MAI propôs um novo suplemento de missão para os elementos da PSP e da GNR de entre 365,13 e 625,94 euros.

O suplemento proposto tem como referência os vencimentos base do diretor-nacional da PSP e do comandante-geral da GNR e substitui o atual suplemento por serviço e risco nas forças de segurança.

Com este novo suplemento de missão, os oficiais passariam a ter um suplemento de missão de 12% da remuneração base do diretor nacional da PSP e do comandante da GNR, que é de 5.216,23 euros, enquanto a percentagem para os chefes da PSP e sargentos da GNR é de 9% e para os agentes e guardas é de 7%.

O MAI garante que todos os elementos da GNR e da PSP "têm um aumento de retribuição" e que nenhum guarda ou polícia terá menos rendimento, passando a receber no mínimo mais 1.050 euros por ano, e para parte deles, mais do que isso.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+