A+ / A-

"Não vamos ficar à espera de eleições". CGTP protesta frente ao Parlamento contra OE2024

29 nov, 2023 - 12:17 • João Cunha com Redação

O secretário-geral do PCP, Paulo Raimundo, juntou-se à manifestação pelo aumento salarial.

A+ / A-

Esta quarta-feira é votado o Orçamento do Estado para 2024 (OE2024), no Parlamento. A Confederação Geral dos Trabalhadores Portugueses (CGTP) convocou um protesto geral de trabalhadores no exterior da Assembleia da República.

Os manifestantes exigem os aumentos dos salários e das pensões. “Temos milhares de pessoas a passar fome”, dizem, defendendo que “é necessário que as pensões aumentem substancialmente”.

Em declarações aos jornalistas, a secretária-geral da CGTP, Isabel Camarinha, defende que o país não pode ficar congelado até às eleições de 10 de março de 2024, porque a população está a sofrer com a crise.

"Não vamos ficar à espera de eleições. Vamos continuar a exigir a resposta já, porque é agora que os trabalhadores estão a chegar ao fim do mês sem ter o suficiente para por comida na mesa e para pagar a habitação. Não é amanhã, não é daqui a três meses. É agora", declarou Isabel Camarinha.

O secretário-geral do PCP, Paulo Raimundo, também se juntou à manifestação. “Esta gente põe o país a funcionar, criam riqueza, há lucros e dinheiro. É preciso que seja melhor distribuído”, afirma.

CGTP em protesto à frente da Assembleia da República contra OE2024. Foto: João Cunha
CGTP em protesto à frente da Assembleia da República contra OE2024. Foto: João Cunha
CGTP em protesto à frente da Assembleia da República contra OE2024. Foto: João Cunha
CGTP em protesto à frente da Assembleia da República contra OE2024. Foto: João Cunha
CGTP em protesto à frente da Assembleia da República contra OE2024. Foto: João Cunha
CGTP em protesto à frente da Assembleia da República contra OE2024. Foto: João Cunha

O PCP é um dos partidos que vai votar contra o OE2024, ainda que vá ser aprovado com o voto da maioria absoluta do PS. Já a pensar nas eleições de 10 de março, Paulo Raimundo não quer fazer cenários de acordo e pede um reforço de votos na CDU – coligação do PCP e d’Os Verdes.

Do lado dos professores, o sindicalista do STOP, André Pestana, promete manter os protestos caso não se invista na escola pública. "Venha quem vier no próximo governo eleito a 10 de março, mais à esquerda ou mais à direita, se não investir a sério na escola pública e na valorização de todos que lá trabalham e estudam, a luta vai claramente continuar".

Até às eleições, o secretário-geral da Federação Nacional dos Professores (FENPROF), Mário Nogueira, também promete pressão no sentido de obter resposta aos problemas dos professores. "Iremos, como é evidente, pressionar. Se não um dia destes as nossas escolas deixam de ter professores, tal é a quantidade dos que se aposentam".

"Não vamos ficar à espera de eleições. Vamos continuar a exigir a resposta já, porque é agora que os trabalhadores estão a chegar ao fim do mês sem ter o suficiente para por comida na mesa e para pagar a habitação. Não é amanhã, não é daqui a três meses. É agora", contesta a secretária-geral da CGTP, Isabel Camarinha.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+