A+ / A-

"Quem lucra com o apartheid é cúmplice de genocídio". Ativistas atiram tinta vermelha à fachada da Navigator

23 nov, 2023 - 09:20 • Beatriz Pereira

"Exigimos que a Navigator e restantes empresas portuguesas cancelem todas as exportações para o estado sionista ou empresas israelitas", apelam os vários grupos ativistas.

A+ / A-

Ativistas do Coletivo de Libertação da Palestina e dos grupos Climáximo e a Greve Climática Estudantil de Lisboa atiraram tinta vermelha, esta quinta-feira, à fachada do edifício do escritório da The Navigator Company.

Em letras vermelhas, os ativistas escreveram a palavra "genocida" e colaram papéis onde se pode ler "Quem lucra com o apartheid é cúmplice de genocídio".

Em comunicado, os grupos referem que a Navigator é uma "empresa produtora de pasta celulósica e de papel, a sexta maior exportadora de Portugal para Israel, lucrando diretamente com o apartheid sionista e a limpeza étnica do povo palestiniano".

Segundo os ativistas, as empresas como a Navigator, que "aceitam normalizar este projeto colonial através de trocas comerciais, têm também sangue palestiniano nas mãos e não vão conseguir lavá-lo até boicotarem todas as organizações cúmplices com o estado sionista".

Foto: Coletivo pela Libertação da Palestina
Foto: Coletivo pela Libertação da Palestina

Para além das críticas à ligação com Israel, os ativistas alertam para o facto da empresa ser "uma das maiores emissores de CO2 do país, perpetuadora da monocultural eucaliptal das nossas florestas e uma das empresas portuguesas que mais contribui para o colapso ambiental global com que nos deparamos".

Os grupos apelam aos portugueses para "parem de consentir com o genocídio a decorrer na Palestina" e ainda a resistir contra as "mais de 930 empresas portuguesas quem exportam para Israel"

"Exigimos que a Navigator e restantes empresas portuguesas cancelem todas as exportações para o estado sionista ou empresas israelitas. Exigimos boicote, desinvestimento e sanções a todas as organizações cúmplices com a ocupação", dizem.

Saiba Mais
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Kim
    23 nov, 2023 Aljustrel 12:12
    Foram detidos, certo......?? E serão no mínimo multados......Quem suporta estas pretensas organizações.....??
  • Cláudio
    23 nov, 2023 Mem Martins 11:15
    Acho estranho esta gente não se manifestar contra a barbara invasão da Ucrânia pela Rússia, enfim vê-se quem é essa gente.

Destaques V+