Emissão Renascença | Ouvir Online
A+ / A-

Açores. Estudo defende proteção do habitat de ave marinha endémica

18 ago, 2023 - 13:52 • Lusa

O painho-de-monteiro é uma ave presente na costa norte da ilha Graciosa e a sua população mundial está estimada em 300 casais reprodutores.

A+ / A-

Um estudo científico sugere a classificação dos habitats do painho-de-monteiro, localizados a norte da ilha Graciosa, como áreas marinhas protegidas de forma a preservar aquela ave marinha endémica dos Açores, foi revelado esta sexta-feira.

Em declarações à agência Lusa, a investigadora Verónica Neves do Instituto Okeanos da Universidade dos Açores, que participou no estudo, explicou que a se investigação baseou em dados recolhidos durante quatro anos nas épocas em que as aves estão a incubar os ovos e a alimentar as crias.

Segundo destacou, o estudo permitiu "perceber quais são as áreas importantes no mar" para o painho-de-monteiro, classificado como "vulnerável" pela União Internacional para a Conservação da Natureza e cuja população mundial está em 300 casais reprodutores.

"Permitiu identificar as zonas mais importantes que podem, eventualmente, ser áreas marinhas protegidas, com todos os desafios que as áreas marinhas protegidas têm porque são locais fixos e os organismos são dinâmicos", afirmou.

Verónica Neves realçou que os painhos demonstram "fidelidade" aos seus habitats, estando as áreas localizadas a norte da ilha Graciosa e entre essa ilha e a Terceira.

"O que se verificou é que uma grande parte da zona onde essas aves se vão alimentar neste momento não é protegida. O que se sugere é que se aumente a proteção, até porque há um compromisso do governo português de proteger 30% da sua Zona Económica Exclusiva", destacou.

A investigadora defendeu ainda que as áreas "importantes" para o painho-de-monteiro devem estar incluídas na nova rede de áreas marinhas protegidas, como a zona do monte submarino "Sedlo", localizada a 290 quilómetros a nordeste da Graciosa.

O painho-de-monteiro tem cerca de 50 gramas, nidifica apenas nos Açores e chega a viver mais de 20 anos

"Praticamente ninguém nos Açores vê um painho. As cagarras, por exemplo, são diferentes porque estão em todas as ilhas, são abundantes e as pessoas interagem com elas. Os painhos são pequenos e estão restritos a ilhéus e a zonas mais longínquas", assinalou Verónica Neves.

Em 21 de julho, o Governo dos Açores enviou para consulta pública a anteproposta do decreto legislativo regional que estrutura a Rede de Áreas Marinhas Protegidas dos Açores (RAMPA), que será posteriormente submetido à Assembleia Legislativa Regional para discussão e votação.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+